Recalls de 2014 já quase empatam com os de 2013

Número de unidades convocadas neste ano já é 84% do que foi no ano passado

iG Minas Gerais |


Número de recalls no Brasil pode bater recorde neste ano
PAT CASEY DALEY
Número de recalls no Brasil pode bater recorde neste ano

São Paulo. Em menos de seis meses, o número de veículos convocados para reparos no Brasil já equivale a 84% dos modelos envolvidos em recall em todo o ano passado. Desde janeiro, 552,3 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e motos foram chamados para correção de defeito de fábrica. Em 2013 inteiro, foram 660,6 mil unidades. O total de veículos envolvidos em 28 campanhas de janeiro até agora é 147% maior que o de igual período de 2013, que também teve 28 convocações, segundo o Procon/SP.

Uma única campanha da General Motors feita em maio, para 238,3 mil carros, já ultrapassa as 223,3 mil unidades de um ano atrás. Mesmo sem esse recall, o volume seria 40% maior. Nos Estados Unidos, só a GM convocou neste ano cerca de 14 milhões de veículos, mais da metade do volume de todas as fabricantes no ano passado, de 22 milhões de unidades. Analistas acreditam que a marca recorde de recalls de 2004, de 30,8 milhões de veículos, será ultrapassada.

China e Japão também contabilizam números recordes de recall neste ano. O impressionante número de veículos que devem passar por reparos para consertar defeitos que colocam em risco a segurança dos usuários é resultado de recalls preventivos que estão sendo feitos pelas fabricantes. As ações preventivas se intensificaram após as complicações enfrentadas pela GM nos EUA, que demorou 11 anos para reconhecer um defeito na chave de ignição de vários modelos, todos já fora de linha, que resultou em pelo menos 13 mortes.

Em fevereiro, a empresa fez recall para 2,6 milhões de carros. Pela demora, a GM foi multada em US$ 35 milhões. Sua presidente, Mary Barra, teve de se explicar ao Congresso. Após auditoria interna, ela demitiu 15 executivos por negligência. “Há um pânico, uma síndrome entre as empresas e elas estão realizando muitas chamadas preventivas”, afirma Francisco Satkunas, diretor da SAE Brasil, que reúne engenheiros e técnicos do setor automotivo. “Este ano haverá uma explosão no número de recalls”. Segundo Steve St. Angelo, presidente da Toyota América Latina e Caribe, o grupo mantém contatos com consumidores, lojistas e agências governamentais para saber de reclamações e avaliá-las.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave