Italiano já se sente em casa

Francesco já tem na ponta da língua os lugares certos para mostrar a seus conterrâneos

iG Minas Gerais | Paula Coura |

Praia de Grumari, no Rio de Janeiro, só pode ser alcançadas em trilhas perto das montanhas da Pedra Branca
Topo Lerner/Flicker
Praia de Grumari, no Rio de Janeiro, só pode ser alcançadas em trilhas perto das montanhas da Pedra Branca

Difícil descrever os inúmeros atrativos da capital mineira. Sem falar na culinária, de encher os olhos e aguçar o paladar. Mas, sem dúvida, o melhor de Minas são mesmo as pessoas. De jeito simples e até mesmo um pouco tímidas, elas não hesitam quando o assunto é acolher, receber, amparar.

E foi encantado por esse jeitinho todo especial que o italiano Francesco Bagnoli acabou se apaixonando pelo Estado. Ainda na Itália, ele conheceu a mineira Carla Letícia da Silva e não deu outra. Anos mais tarde, acabou se casando com ela e mudando para Minas Gerais.

“A gente se conheceu em 2005, em Florença, e, depois de um tempo, resolvemos morar juntos. Já se passaram 9 anos que estamos juntos e, em 2013, resolvemos morar no Brasil”, explicou Francesco.

Além da beleza de Carla Letícia, o italiano explica que quando está em Minas se sente em casa. Francesco conta que o Brasil o faz recordar de sua infância na Europa, quando ainda haviam crianças jogando bola na rua.

Na Copa do Mundo, o italiano garante que “o coração vai ficar dividido, mas vou torcer pela Itália. Tenho que honrar as minhas origens e é justo que seja assim. Será um evento único e emocionante”.

Nos arredores

E, se os italianos resolverem invadir Belo Horizonte e até Minas Gerais, Francesco já sabe os lugares certos para indicar aos “amigos de pátria”.

“As pessoas têm que conhecer as cachoeiras e as fazendas de plantações de café, sem falar na serra do Cipó. Quando fui ao lugar, fiquei encantado. Na Itália, não tem lugares assim”, comenta.

“Também seria importante que eles conhecessem Ouro Preto, Mariana e Sabará”, complementa. E até em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, ele dá dicas. “O centro Cultura de Contagem é muito bonito”, finaliza o italiano, que já está quase abrasileirado.

Rio de Janeiro

Francês diz que clima o fez “cariocar”

O Rio de Janeiro, por si só, já é um atrativo turístico. Há beleza em cada canto, em cada lugar que se olha. E esse vislumbramento foi o que fez o francês Gaël Deheneffe trocar a Europa pela Cidade Maravilhosa.

“Fiz um intercâmbio no Rio de Janeiro pela UFJF e, quando acabou o período de estudos eu disse para mim mesmo que não iria voltar para a França. Queria morar no Rio”, relata o francês.

E aí o destino deu uma ajuda para que ele fizesse do Rio sua casa definitiva. Entre uma mudança e outra de emprego, a proposta definitiva para ficar na cidade não demorou muito a chegar, para alívio e alegria de Deheneffe.

“Surgiu uma vaga no ParPerfeito e acabei ficando de vez por aqui”, descreve o hoje diretor de produtos do site.

Indicações

Já há seis anos no Rio, ele já elegeu seus lugares favoritos, que indicaria aos conterrâneos que resolverem visitar a capital carioca.

“É muito típico do Francês querer conhecer a raiz das coisas. E aqui no Rio eu indicaria um passeio por Grumari, Santa Tereza e Lapa”, diz Deheneffe.

Mas, a boemia também não foi esquecida. O francês, que já está mais carioca, disse que curtir as pessoas e o clima do ar livre é algo mais especial na Cidade Maravilhosa.

“É muito mais fácil esquecer dos problemas com o estilo de vida, a alegria do brasileiro. É muito bom sair com as pessoas e divertir”, completa. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave