Pendurado, Neymar vira preocupação para Felipão

Amarelado no jogo de estreia, camisa 10 poderá forçar segundo cartão contra o México para ficar fora de duelo com Camarões, o último da fase de grupos

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Fortaleza (CE). A primeira missão da seleção brasileira na Copa do Mundo foi cumprida. Mas a batalha do Itaquerão deixou algumas marcas. A principal delas sobre o craque do escrete canarinho. Contra os croatas, Neymar acabou levando um cartão amarelo após deixar o braço no rosto de Modric, infração que não passou impune diante da confusa arbitragem do japonês Yuichi Nishimura.

Na segunda etapa, o asiático ainda amarelou o volante Luiz Gustavo. Com as punições, ambos entraram na lista de pendurados da seleção brasileira e passam a inspirar certos tipos de cuidados por parte da comissão técnica.  Pelo regulamento da Copa do Mundo, um novo cartão acarretaria suspensão automática.  As infrações só serão zeradas a partir das semifinais.

Por isto, o confronto contra o México, marcado para a próxima terça-feira, em Fortaleza, impõe aos jogadores da seleção um dilema – forçar o cartão ou não? No caso de Luiz Gustavo, uma possível suspensão na fase mata-mata poderia ser facilmente contornada, mas a ausência de Neymar poderia significar uma grande perda para o Brasil. O próprio jogador admitiu a preocupação, fato que poderia levá-lo a forçar o cartão para ficar fora do jogo contra Camarões, o último da primeira fase.

"Ficar pendurado pelo resto da competição é muito complicado. Eu vou jogar (contra o México) naturalmente, não vou ficar esquentando a cabeça porque pensar nisso é bem pior", afirmou Neymar.

A situação também foi comentada por Felipão. O treinador externou sua preocupação com a situação de seu atleta de destaque, mas deixou claro que a intensidade apresentada contra a Croácia deverá ser mantida. O mais importante neste momento é a classificação.

“Primeiro, eu tenho que pensar em classificar. Esta vitória me dá a chance de respirar. Neymar vai jogar a segunda partida (contra o México) sim e se precisar levar o segundo cartão, que leve, o mais importante é se classificar", concluiu o treinador.