Punido, Beckenbauer não virá ao Brasil para a Copa

Campeão do mundo com a seleção alemã como jogador em 1974 e depois como técnico em 1990, Beckenbauer foi provisoriamente suspenso de qualquer atividade relacionada ao futebol após a Fifa concluir que o kaiser violou seu Código de Ética

iG Minas Gerais | Da Redação |

Punido pela Fifa na última sexta-feira com uma suspensão de 90 dias por supostamente ter se recusado a colaborar com uma investigação da entidade, Franz Beckenbauer revelou que não virá mais ao Brasil, como anteriormente estava planejado, para acompanhar a Copa do Mundo.

Campeão do mundo com a seleção alemã como jogador em 1974 e depois como técnico em 1990, Beckenbauer foi provisoriamente suspenso de qualquer atividade relacionada ao futebol após a Fifa concluir que o kaiser violou seu Código de Ética. A entidade entende que ele não cooperou como deveria com a investigação relacionada às denúncias de corrupção ligadas ao processo de votação que elegeu o Catar como sede da Copa de 2022.

"A Copa do Mundo está excluída para mim. Vou renunciar ao Mundial e à minha viagem prevista ao Brasil. Parto do princípio de que não serei bem-vindo pela Fifa", avisou o ídolo, em entrevista ao jornal alemão Bild.

Na última sexta-feira, a Fifa alegou que Beckenbauer foi procurado por duas vezes, primeiro por meio da tentativa de uma entrevista pessoal e depois através de perguntas feitas por escrito em inglês e alemão, mas não obteve resposta do ex-jogador. Ele era um membro do Comitê Executivo da entidade que votou no processo que elegeu o Catar, em 2010, como sede do Mundial de 2022.

Na última sexta, em entrevista para a rede de TV Sky Sport News, Beckenbauer reagiu com ironia ao comentar a punição aplicada contra ele. "Eu olhei primeiro para o calendário hoje (sexta). Pensei que era '1º de abril' e que isso era uma 'pegadinha' de abril", declarou.

O ídolo maior da história do futebol alemão justificou a sua suposta omissão pelo fato de que as perguntas enviadas a ele foram feitas em inglês, assim como alegou que a Fifa se negou a receber as respostas em alemão. Para completar, o ícone do futebol da Alemanha negou qualquer envolvimento em possíveis atos de corrupção durante o processo de escolha da sede da Copa de 2022.

Leia tudo sobre: fifAcopa do mundo