Colombianos aproveitam jogo para passar mensagem de paz

Torcedores do país sul-americano levaram faixa pedindo o fim das Forças Revolucionárias, que mostra sua força há 50 anos

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Colombianos mostraram sua indignação com o poder econômico que guerrilheiros possuem até hoje
DANIEL OTTONI - WEBREPORTER
Colombianos mostraram sua indignação com o poder econômico que guerrilheiros possuem até hoje

 

Na chegada ao Mineirão, era de impressionar o 'mar de colombianos' na porta do estádio. A grande maioria de torcedores do país já deixava claro a festa que seria feita do lado de dentro, quando a bola rolasse para a estreia na Copa do Mundo contra a Grécia.

Apesar da festa nas ruas, o jogo serviu para que alguns deles manifestassem sua revolta com a realidade que vivem em seu país. Com uma faixa com os dizeres 'Colômbia quer paz', o torcedor Jose Alfonso Jaramillo, ao lado de vários amigos, externou a insatisfação com a força que as FARC possuem até hoje por lá.

“Eles perderam muito do que já conquistaram, mas ainda estão muito presentes. O narcotráfico manda e tem muito poder econômico. Estamos cansados disso, é algo que já dura 50 anos”, salienta, lembrando que o número de guerrilheiros caiu de 30 para oito mil.

Jaramillo fez questão de lembrar que muitos de seus conhecidos não estavam ao seu lado, em Belo Horizonte, por terem sido mortos pelas Forças Revolucionárias. “Eles moravam em locais de conflito e acabaram pagando com a vida. Não é justo”, lamenta.

Vitória para aliviar as dores

Deixando a insatisfação de lado, os colombianos mostraram muita empolgação com a equipe que entrará em campo logo mais. Mesmo sem a presença de Falcao Garcia, que foi cortado por não se recuperar a tempo de uma cirurgia no joelho, eles acreditam em uma boa campanha.

“Este jogo contra a Grécia é fundamental para começarmos bem. Teremos boas chances de classificar sem vencermos. Nas oitavas, esperamos encarar o Uruguai e chegar nas quartas de final”, projeta, deixando claro o desinteresse em encarar a Itália nas oitavas.

Jogadores como Bacca e Martinez foram apontados pelo grupo como possíveis substitutos de Falcao no comando do ataque.