'Temos de dar tudo por essa camisa', diz zagueiro

"Estar aqui [no Brasil], é um sonho. Estamos a poucas horas da estreia e sabemos o que representa jogar o Mundial.", diz Federico Fernández, 25

iG Minas Gerais | Da Redação |

Federico Fernández, 25, nunca pensou em outra coisa que não fosse ser zagueiro. Aos cinco anos, quando começou a jogar em Tres Algarrobos (500 km de Buenos Aires), já era defensor. Duas décadas depois, é nesta posição que vai defender a Argentina na Copa do Mundo. No 4-4-2 ou 3-5-2, ele será uma das peças principais do plano tático de Alejandro Sabella. Nesta última opção, pode atuar também como líbero. "Estamos praticando os dois esquemas. Não tem nada confirmado. Estou habituado a ambos", afirma. Fernández se tornou, com o tempo, um dos homens de confiança do técnico. Conquistaram juntos o título da Libertadores de 2009 pelo Estudiantes. Bateu o Cruzeiro na final. Era reserva daquele time. Ganhou a posição com o tempo, exatamente como fez com a seleção. Ele convenceu a Sabella que poderia formar a dupla de zaga com Garay quando a Argentina venceu a Suíça, em Berna, por 3 a 1, em fevereiro de 2012. Com paciência, responde a todos os questionamentos a respeito da diferença técnica entre o ataque e a defesa da seleção. A expectativa de estrear na Copa do Mundo e realizar o sonho do pequeno zagueiro de Tres Algarrobos, torna impossível para ele mostrar qualquer tipo de irritação. "Estar aqui [no Brasil], é um sonho. Estamos a poucas horas da estreia e sabemos o que representa jogar o Mundial." Há tempos Fernández sabe que está nos planos de Sabella para a competição. A ficha de que seria chamado para o Mundial caiu em partida em que sequer estava em campo. Quando a Argentina garantiu a classificação para a Copa, ao golear o Paraguai por 5 a 2, o zagueiro estava suspenso. Ficou em Nápoles, na Itália, assistindo ao jogo. Foi até o final, pouco importando que tenha terminado às 5h da manhã e tivesse treino pela frente pouco depois. Quando estava indo dormir, ouviu o telefone tocar. Era Pablo Blanco, preparador físico de Sabella e braço direito do técnico. No fundo, Fernández ouviu os outros jogadores gritando e cantando. "Você também faz parte disso", fez questão de dizer Blanco. Ali, o zagueiro percebeu estar bem perto de realizar um dos grandes sonhos de infância. "Nos últimos amistosos, antes da viagem, vimos a expectativa criada pelas pessoas. Vai estar muita gente no Maracanã, muita gente nos nossos jogos incentivando. Temos de dar tudo por essa camisa."

Leia tudo sobre: copa do mundoargentinabósnia