Violência afasta público de protestos

iG Minas Gerais | Joana Suarez |

Nas redes sociais, os grupos de protesto contra a Copa fazem um apelo para que a população volte às ruas como no ano passado. Mas a violência das manifestações está afastando o público. Quem acompanhou o protesto da última quinta-feira em Belo Horizonte pôde ver claramente quem eram os encapuzados e exaltados.

Para especialistas em segurança, a Polícia Militar (PM) precisa identificar os grupos infiltrados e dialogar com as lideranças para que elas se tornem aliadas no combate ao vandalismo.

O cientista político e sociólogo Moisés Augusto Gonçalves diz que a polícia mineira não sabe lidar com manifestações. “Não há uma ação planejada. Parece que a estratégia é deixar o caos se instalar para depois reprimir o direito de todos”.

O coordenador do curso de Segurança Pública da Universidade de São Paulo (USP), Lenin Pires, destaca que esses grupos minoritários sempre existiram nas manifestações.

“São pessoas que acreditam que a violência é a via de resolução. Mas eles se legitimam porque a polícia é violenta igual a eles”, destacou. Segundo Pires, se houvesse um pacto de ‘não agressão’ com a PM, os líderes dos protestos isolariam os infiltrados. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave