Clássico entre gigantes na ‘sauna’ amazônica

iG Minas Gerais |

Wayne Rooney é o nome mais conhecido do English Team
Matt Dunham/AP
Wayne Rooney é o nome mais conhecido do English Team

Manaus. A Copa do Mundo reservou para o Norte do Brasil um grandioso encontro. Além da maravilha natural que é o misturar das águas do rio Negro e do Solimões, Itália e Inglaterra, duas seleções campeãs mundiais, ficam frente a frente, neste sábado, às 19h, na Arena Amazônia. A partida é válida pelo grupo D, chamado de “grupo da morte” por ter ainda o Uruguai e a Costa Rica. As reclamações feitas, principalmente pelo técnico inglês Roy Hodgson sobre o palco do jogo, a localização geográfica e o clima de Manaus, agora ficam em segundo plano. Mais quente que o próprio município manauara estará o ambiente dentro de um dos estádios de estrutura mais arrojada do Mundial.

“Itália e Inglaterra sempre fazem partidas atrativas porque é o confronto de dois modos de jogar. É uma grande equipe, melhoraram muito, com jovens que têm muita qualidade”, disse o experiente meia Pirlo, 35, maestro da Itália. Dentro de campo, as duas potências europeias farão o que pode ser chamado de tira-teima em Copas do Mundo. Não será a primeira vez de ingleses e italianos em Mundiais, mas o confronto volta a acontecer depois de mais de duas décadas. Para ser exato, após 24 anos. O último embate da equipe do país da bota com o time da rainha Elizabeth foi na Copa de 1990, na Itália. O jogo terminou com o placar de 2 a 1 para a Azurra, que ficou à época com o terceiro lugar, prêmio de consolação, já que atuava em casa. Roberto Baggio e Totó Schillaci fizeram os gols da Itália, com Platt descontando para a Inglaterra.

E não foi em 1990 que o English Team sofreu derrota doída para a Azurra. Na Uefa Euro 2012, em Kiev, na Ucrânia, o maestro Pirlo, com uma cavadinha nas disputas penais, decretou a eliminação da Inglaterra nas quartas de final. Jogo de que o goleiro Joe Hart se lembra muito bem. “Foi difícil aquele último jogo contra a Itália, mas desde então muita coisa mudou. Nós seguimos adiante e progredimos como seleção. Estamos prontos e preparados para ganhar. A Euro já foi há dois anos. Sabemos tudo o que foi feito e estamos ansiosos para a partida”, comentou. Agora a história é diferente. O duelo não decidirá nenhum título em especial, mas uma vitória pode ser essencial para os planos de ambas as seleções. Justamente pela dificuldade do grupo D.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave