Colombianos fazem muita festa em invasão na praça da Savassi

Torcedores destacaram receptividade dos mineiros, o clima da cidade e esperam um bom papel da Colômbia na Copa

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

undefined

Os torcedores da Colômbia transformaram a praça Diogo de Vasconcelos, nesta sexta-feira, na Savassi, região centro-sul de Belo Horizonte, em um verdadeiro reduto colombiano. Centenas de aficionados, com camisas amarelas e vermelhas, chapéus e bandeiras tomaram os bares e as ruas locais para fazer muita festa, tanto pela oportunidade de acompanhar de perto a equipe de seu país quanto por ver pela televisão a sonora goleada que a Holanda aplicou na Espanha.

O clima festivo e descontraído estava aliado à ansiedade e confiança na estreia de sua seleção contra a Grécia, neste sábado, às 13h, no Mineirão, pelo grupo C da Copa do Mundo. Grande parte dos colombianos presentes na capital mineira seguirão a seleção nos três jogos da primeira fase.

Eles começaram a chegar no dia 12 de junho. Apesar do pouco tempo, foram só elogios para a cidade e para a população belo-horizontina. “Gostei muito das pessoas, da cidade, que é muito tranquila. Está sendo uma bonita confraternização entre os povos latino-americanos”, declarou o comerciante Humberto Lopes, 41.

O linguísta João Navas, 26, também destacou a hospitalidade do povo mineiro. “Estou gostando muito da cidade. As pessoas são muito amáveis, o ambiente é muito bom, a comida é muito boa. Vou acompanhar a Colômbia nos três jogos da primeira fase. Espero conseguir desfrutar de muitos bons momentos com todos os torcedores brasileiros e de outras seleções que encontrar pelo caminho”, disse.

A torcida da Colômbia está confiante em uma vitória diante dos gregos, no Gigante da Pampulha. Porém, eles sabem das dificuldades que a Colômbia para surpreender nesta Copa do Mundo. “Temos uma boa seleção, mas não é a melhor do mundo. Estou torcendo para ficarmos, pelo menos, em quarto lugar. Se isso acontecer, vamos fazer muita festa”, afirmou o administrador Augusto Romero, 35.

Outros colombianos, como a engenheira industrial Lina Cuéllar, 27, tem um pensamento mais modesto. “Temos muitos bons jogadores. Eles terão muito apoio da torcida nos jogos desta Copa. Mas acho que vamos seguir apenas até as oitavas de final”, cogitou.  

Leia tudo sobre: Copa do MundoColombiatorcedoressavassibelo horizonte