Brasileiro naturalizado croata acredita em classificação

Meio-campo não chegou a entrar em campo contra o Brasil e admitiu que sua equipe já contava com derrota na estreia

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

Sammir teve boa passagem pelo Dinamo de Zagreb antes de obter segunda cidadania
Arquivo pessoal
Sammir teve boa passagem pelo Dinamo de Zagreb antes de obter segunda cidadania

O meio-campo brasileiro Sammir, naturalizado croata, figurou no banco de reservas na abertura da Copa do Mundo, contra o Brasil. Apesar de não ter entrado em campo, ele passa a fazer parte da memória do futebol mineiro por ter sido um jogador revelado nas categorias de base do Atlético a participar de um Mundial.

Sammir iniciou a carreira em 2000, aos 12 anos, fazendo os primeiros treinos na Vila Olímpica, onde os pratas-da-casa treinavam naquela época. Natural de Itabuna, na Bahia, ele acabou deixando o Atlético em 2004 depois de desentendimento com diretores por causa da acusação do roubo de um chocolate.

Apesar da saída conturbada, Sammir guarda um carinho pelo Galo. “Comecei no Atlético. Foi um aprendizado muito grande, aprendi a jogar futebol lá. A estrutura é muito grande, revela muitos jogadores. Sinto orgulho de ter passado por lá, de ter aprendido e estar de volta aqui no Brasil”, disse o jogador após a derrota de 3 a 1 da Croácia para o Brasil.

Do Atlético, ele passou por Atlético-PR e Paulista até se transferir para o Dínamo Zagreb, da Croácia, em 2007. Por lá conquistou diversos títulos, atuou 229 partidas, marcou 60 gols e ganhou o carinho e a admiração do país. Atualmente está no Getafe, da Espanha.

De longe, ele acompanhou a vitoriosa campanha do Atlético, campeão da Libertadores 2013. “O clube sempre foi grande, e agora cresceu ainda mais conseguindo ser campeão. O Galo sempre foi um dos grandes clubes do Brasil”, ressaltou.

Na Copa do Mundo, mesmo com a derrota para o Brasil no grupo A, Sammir ainda confia na classificação. “Temos chances de passar em segundo lugar. Nós estávamos contando com isso (a derrota), podia acontecer. Tem dois jogos para fazer seis pontos”, afirmou.