Técnico que levou Messi para a seleção quer vê-lo na final contra a Co

José Pekerman acredita final entre seu país de origem e aquele que defende atualmente

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

José Pekerman comanda a Colômbia e espera um bom desempenho de seus comandados na Copa do Mundo
José Pekerman comanda a Colômbia e espera um bom desempenho de seus comandados na Copa do Mundo

O treinador da seleção da Colômbia, o argentino José Pekerman, tem grandes ambições nesta Copa no Brasil. Ele disse nesta sexta-feira (13) que quer encontrar Lionel Messi em uma final envolvendo a Argentina e a Colômbia. A declaração de Pekerman tem uma razão de ser. Foi ele quem levou o então jovem atacante do Barcelona para a seleção argentina, impedindo que se concretizasse a ida do jogador para a seleção da Espanha. Sabedor do potencial de Messi, Pekerman não quer encontrar com o atacante antes de uma final, porque sabe dos riscos que a seleção que agora comanda terá pela frente. Ele se mostrou confiante em um bom desempenho da Colômbia, mesmo estando a seleção sem o seu principal atacante, Falcao Garcia, lesionado. A Colômbia inicia a sua jornada neste sábado (14), no Mineirão, contra a Grécia. "Eu não podia acreditar quando fiz Messi chegar à seleção argentina, mesmo que alguns tenham lembranças do jogo que não entrou contra a Alemanha [na Copa de 2006]. Fico muito feliz com tudo que Lionel fez. Eu não duvidava de nada. Ele estava surgindo como um craque e é isso", afirmou. "Os dois times estão bem, gostaria de encontrá-lo na final. É o que queremos, mas ainda precisamos ter calma, estamos no primeiro jogo. Hoje estou totalmente com a Colômbia", afirmou Pekerman. Sem Falcao Garcia, Pekerman chamou jovens atacantes para defender a Colômbia e aposta em um ambiente de "família", como ele repetiu por diversas vezes na sua entrevista que antecede o jogo -obrigatória pela Fifa. "Tivemos a lesão grave do Falcao e tivemos que seguir em frente. Então, tivemos que apostar com mais força em alguns jogadores que achamos que podem ser importantes. Eles entrosaram bem com o time", disse. "Estamos muito felizes por termos uma equipe competitiva. Temos muitos jogadores que jogam em grandes times europeus e essa experiência usamos para formar um time unido que jogue pela camisa da Colômbia. É isso que faz um time competitivo", afirmou. Para o meio-campista Aguilar, jogador do Toulose, da França, a Colômbia tem um grupo que se conhece bem e isso tem facilitado o trabalho. "É mais fácil trabalhar assim. Estamos melhorando sempre em muitos aspectos e isso deixa todos confiantes. Temos que dar o máximo de nós por causa da Colômbia", disse Aguilar.