Trapalhadas de arbitragem acontecem desde 1930

Veja a lista de alguns erros em outras edições de Copa do Mundo

iG Minas Gerais | Folha Press |

Lambanças, erros e polêmicas da arbitragem marcaram muitos jogos na história das Copas. O pênalti marcado em Fred a favor do Brasil contra a Croácia foi apenas mais um.

Lances duvidosos ou claros já determinaram o fracasso ou o sucesso de muita gente. A primeira atrapalhada que ficou famosa em Mundiais foi logo na primeira edição.

Na Copa de 1930, o árbitro brasileiro Almeida Rego apitou o fim do jogo entre Argentina e França, aos 39min do segundo tempo, três minutos depois de a equipe argentina ter aberto o placar. O erro gerou muita confusão e os torcedores protestaram. Só sossegaram quando o juiz trouxe os times de volta para jogar o tempo restante.

1938 - Brasil 6 x 5 Polônia Na vitória do Brasil sobre a Polônia por 6 a 5, na prorrogação, Leônidas da Silva marcou, sem chuteiras, um gol. O gramado estava encharcado e o calçado se soltou do pé do atleta. A partida, que era eliminatória, valeu pela primeira fase do torneio na França.

1938 - Itália 2 x 1 Brasil Em 1938, o lance que gerou muita polêmica foi o pênalti cometido pelo brasileiro Domingos da Guia no italiano Piola. A penalidade máxima foi convertida em gol, e o Brasil perdeu por 2 a 1, na semifinal.

Segundo o zagueiro da seleção, ele deu uma entrada normal, comum nas partidas. Em entrevista gravada para a TV Cultura em 1993, Domingos da Guia lamentou a decisão de o árbitro ter dado o pênalti.

"O Piola segurou a bola com a perna e eu cheguei na perna do Piola, não dei um pontapé violento. Cheguei normalmente como chega um zagueiro no centroavante. O Piola caiu", afirmou Domingos da Guia, que disse que não entendeu o que o árbitro tinha apitado.

"O juiz, que era húngaro [na verdade, era suíço], chegou a minha pessoa e falou 'urururururururu', disse em húngaro. E falou para ele também. Tive a impressão que nós dois tínhamos sido punidos e expulsos. Ao sair de campo, senti que o bandeirinha não deixou eu sair. Então, não fui expulso e voltei, mas o juiz estava com a bola na mão e levou a bola para dar o pênalti contra o Brasil", disse.

1954 - Alemanha Ocidental 3 x 2 Hungria Final entre Alemanha Ocidental e Hungria. A partida estava 3 a 2 para os alemães aos 40min do segundo tempo quando Puskas empatou o jogo, mas o árbitro inglês William Ling anotou um impedimento, o que gerou muitos protestos dos húngaros. Assim, o placar não mudou mais.

1954 - Hungria 4 x 2 Brasil O Brasil foi outro time que reclamou da arbitragem no Mundial de 1954. Ao cair nas quartas de final diante da Hungria por 4 a 2, os brasileiros reclamaram muito da atuação da arbitragem em uma partida que foi muito tensa.

No jogo, dois brasileiros e um húngaro foram expulsos. O juiz inglês Arthur Ellis chegou a ser xingado de "comunista" pela delegação brasileira por supostamente ter ajudado seu oponente, aliado da União Soviética.

1958 - Alemanha Ocidental 2 x 2 Tchecoslováquia Novamente o inglês Arthur Ellis validou um gol inexistente para a Alemanha Ocidental no empate de 2 a 2 contra a Tchecoslováquia. No lance, o goleiro tcheco saltou e pegou a bola, mas foi empurrado e acabou caindo. Além de não apitar a falta, o juiz entendeu que o goleiro caiu com a bola dentro do gol. Depois do lance, o goleiro ficou deitado sobre a linha enquanto fotógrafos invadiram o campo para tirar fotos.

1962 - Brasil 2 x 1 Espanha O Brasil foi favorecido com dois erros seguidos na vitória sobre a Espanha por 2 a 1 na fase de grupos da Copa de 1962. Primeiro, o juiz chileno Sergio Bustamante deixou de dar um pênalti cometido por Nilton Santos. O brasileiro fez falta dentro da área e deu alguns passos para frente. O juiz deu apenas falta, e não a penalidade máxima. Na cobrança da infração, a bola foi cruzada na área, a defesa brasileira rebateu e na sequência a Espanha fez o gol, em uma jogada de bicicleta. Estranhamente, o juiz anulou o gol.

1966 - Alemanha Ocidental 4 x 0 Uruguai Nas quartas de final da Copa de 1966, durante a vitória de 4 a 0 da Alemanha Ocidental sobre o Uruguai, o árbitro inglês Jim Finney interpretou que o alemão Karl-Heinz Schnellinger usou a cabeça para impedir que a bola entrasse ao gol. Os atletas uruguaios se desesperaram e fizeram gestos que o alemão colocou a mão na bola para evitar o gol. Apesar dos protestos, o juiz não deu o pênalti.

1966 - Inglaterra 4 x 2 Alemanha Ocidental Um lance que ficou muito famoso na história das Copas foi o que ocorreu na final do Mundial de 1966 entre Inglaterra e Alemanha Ocidental. A decisão estava na prorrogação (depois de um empate de 2 a 2) quando o inglês Geoff Hurst chutou forte. A bola bateu no travessão e, com muita velocidade, quicou no gramado. Para o juiz suíço Gottfried Dienst, a bola entrou. Os alemães reclamaram muito dessa decisão.

1970 - Itália 0 x 0 Israel O juiz brasileiro Ayrton Vieira de Morais anulou dois gols da seleção italiana, alegando dois duvidosos impedimentos, no empate de 0 a 0 contra Israel, na fase de grupos. Os jogadores se queixaram da decisão que impediu a vitória da Azzurra, mas não evitou a classificação da equipe em primeiro lugar do Grupo 2.

1970 - Brasil 3 x 1 Uruguai Na semifinal entre Brasil e Uruguai, Pelé sofreu um pisão de Fontes, que não foi expulso. Em outra jogada entre os dois, o brasileiro correu com a bola e, quando o uruguaio se aproximou, deu uma violenta cotovelada no rival. Apesar da agressão, o atleta também não foi excluído de campo. O juiz foi o espanhol Jose Maria Ortiz de Mendibil.

1978 - Suécia 1 x 1 Brasil A primeira partida da seleção na Copa da Argentina acabou empatada por 1 a 1 contra a Suécia. Só que o Brasil chegou a fazer o segundo gol, depois de cobrança de escanteio, Zico subiu e cabeceou a bola que foi parar no fundo do gol aos 45min do segundo tempo. Só que o juiz galês Clive Thomas terminou o jogo, em vez de dar o gol, com alegação de ter dado o apito final antes de a bola entrar. Os jogadores protestaram com o árbitro, enquanto os suecos comemoravam.

1982 - Brasil 2 x 1 União Soviética Na estreia da seleção na Copa de 1982, contra a União Soviética, o juiz espanhol Augusto Lamo Castillo ajudou o Brasil ao não anotar um pênalti feito por Luisinho que empurrou e derrubou Ramaz Shengelia na área. O Brasil venceu a partida por 2 a 1.

1982 - Itália 3 x 2 Brasil Na segunda fase do Mundial, na decisiva partida contra a Itália, o árbitro Abraham Klein não apitou pênalti, com o puxão dado pelo italiano Gentile em Zico na área. Depois do lance, o brasileiro em direção do árbitro e mostrou a camisa rasgada.

Se o Brasil reclamou do puxão sofrido por Zico na área, a Itália também teve motivo para reclamar, com razão, da arbitragem, que anulou um gol de Antognoni, que tinha posição legal.

1986 - Brasil 1 x 0 Espanha Na primeira partida do Brasil no Mundial de 1986, contra a Espanha, o juiz australiano Christopher Bambridge não deu um gol para a equipe espanhola, após um forte chute de Francisco. A bola tocou no travessão, quicou no gol e saiuO Brasil acabou como vencedor desse jogo por 1 a 0.

1986 - Argentina 2 x 1 Inglaterra Um dos erros mais repercutidos na história da Copa do Mundo. "A mão de Deus", como o lance foi batizado por Diego Maradona, apareceu nas quartas de final do torneio disputado no México. Em bola aérea, Maradona saltou junto com o goleiro inglês Peter Shilton e usou a mão para fazer o gol, enganando o árbitro tunisiano Ali Bennaceur.

1990 - Alemanha Ocidental 1 x 0 Argentina O árbitro mexicano Edgardo Codesal Mendez foi alvo da ira dos jogadores argentinos após apitar o pênalti para a Alemanha, de Monzón em Völler, na final da competição italiana. Muito nervosos, os argentinos cercaram e empurraram o juiz, que não mudou de ideia. O pênalti foi cobrado, o gol saiu e a Alemanha venceu a decisão por 1 a 0.

1994 - Alemanha 3 x 2 Bélgica A Alemanha venceu a Bélgica por 3 a 2 nas oitavas de final da Copa nos Estados Unidos, mas o árbitro suíço Kurt Roethlisberger deixou de marcar um pênalti para os belgas. Após ser lançado, Josip Weber dominou, invadiu a área e foi derrubado.

1994 - Brasil 3 x 2 Holanda Nas quartas de final do Mundial, o Brasil chegou ao seu terceiro gol na vitória sobre a Holanda por 3 a 2, em um gol de falta de Branco. O próprio lateral foi quem sofreu a falta, apitada corretamente pelo juiz Rodrigo Badilla Sequeira, da Costa Rica. Mas o erro foi que, antes de Branco receber o pontapé, o brasileiro acertou o braço no rosto do seu marcador, que ficou caído no gramado.

1998 - Itália 2 x 2 Chile Um empate foi arrancado pela seleção italiana, em sua estreia na Copa da França, por 2 a 2 diante do Chile, com um pênalti polêmico. A Itália perdia por 2 a 1, quando Roberto Baggio chutou a bola, que bateu no braço do seu marcador na área. O juiz Lucien Bouchardeau, de Níger, apitou o pênalti. Baggio bateu e fez.

2002 - Brasil 2 x 1 Turquia Foi uma dura estreia para o Brasil, contra a Turquia, na Copa da Coreia do Sul e do Japão. A seleção venceu devido a um pênalti mal marcado pelo árbitro sul-coreano Kim Young-Joo. O centroavante Luizão foi puxado fora da área, mas caiu dentro dela. O pênalti foi dado, e Rivaldo fez 2 a 1, placar final da partida.

2002 - Coreia do Sul 2 x 1 Itália A atuação do árbitro equatoriano Byron Moreno gerou revolta da seleção da Itália na derrota para a Coreia do Sul por 2 a 1,na prorrogação, nas oitavas de final da Copa de 2002. O juiz anulou um gol legal de Tommasi, marcando impedimento, deixou de dar um pênalti sofrido por Totti e, nesse lance, ainda mostrou um cartão vermelho ao meia italiano. Alegação foi que o jogador teria simulado pênalti.

2002 - Coreia do Sul 0 (5) x 0 (3) Espanha A Espanha teve dois gols legítimos anulados na partida contra a Coreia do Sul, nas quartas de final. O jogo e a prorrogação terminaram 0 a 0, e os sul-coreanos venceram por 5 a 3 na decisão por pênaltis. O juiz Gamal Ghandour errou ao apitar que a bola saiu de campo no cruzamento de Joaquin que resultou no gol. O outro erro foi invalidar um gol, após a bola ser cruzada na área. Não houve impedimento nem falta.

2006 - Croácia 2 x 2 Austrália Em 2006, O zagueiro croata Josip Simunic recebeu três cartões amarelos antes do vermelho, durante o empate de 2 a 2 contra a Austrália, na fase de grupos da Copa do Mundo da Alemanha. O jogador, que foi advertido aos 16min da etapa final, deveria ter sido expulso aos 45min do segundo tempo, mas o juiz inglês Graham Poll mostrou novamente o amarelo. Três minutos depois, Simunic recebeu, por reclamação, outro amarelo e na sequência o vermelho.

2006 - Itália 1 x 0 Austrália Um pênalti marcado para a Itália, aos 48min do segundo tempo, decidiu a classificação da equipe para as quartas de final. Na partida contra a Austrália, Grosso caiu na área ao driblar o marcador, e o árbitro espanhol Luis Medina Cantalejo apitou o pênalti. Totti cobrou e definiu a vitória de 1 a 0.

2010 - Brasil 3 x 1 Costa do Marfim Na vitória do Brasil sobre a Costa do Marfim, o centroavante Luis Fabiano dominou a bola com o braço antes de fazer o gol, o segundo da equipe brasileira. O juiz francês Stephane Lannoy validou o gol.

2010 - Alemanha 4 x 1 Inglaterra A Alemanha goleou a Inglaterra por 4 a 1, nas oitavas da Copa do Mundo, em uma partida que ficou marcada pelo gol não dado para os ingleses pelo árbitro uruguaio Jorge Larrionda. Quando a partida estava 2 a 1, o meia Lampard chutou, a bola bateu no travessão, quicou dentro do gol e saiu.

Leia tudo sobre: arbitragemerroscopacopa do mundolista