Estreia e abertura nada convincentes

iG Minas Gerais |

O time ficou devendo, e muito, na estreia. Para quem esperava goleada com show de bola a frustração foi grande. E não dá para dizer que a Croácia jogou retrancada, que não quis jogo, pois isso não ocorreu. O gol inicial foi falha coletiva da defesa brasileira, concluída por Marcelo, aos 9 min. Empate brasileiro também foi fruto de falha, individual, do goleiro Pletikosa, que aceitou chute de muito longe de Neymar. Fala-se tanto na profissionalização dos árbitros no futebol mundial, e o japonês Yuichi Nishimura é uma prova de que o problema não está aí. Único profissional do apito do mundo falhou feio no lance de Fred e deu o serviço a favor do time de Felipão para que Neymar fizesse o segundo gol. Os dois laterais não foram bem. Daniel Alves e Marcelo jogaram bem abaixo que o normal. Paulinho também não jogou o que sabe e Hernanes, que entrou em seu lugar, não teve tempo para mostrar muita coisa. Com Bernard no lugar de Hulck, Felipão tentou matar o jogo na velocidade, mas os croatas não se abriram totalmente na busca do empate. Aos 42 min, Felipão demonstrou humildade colocando Ramires no lugar de Neymar. Seguro morreu de velho.

Ficou devendo A festa de abertura foi bem fraca, a começar pelo local. Se toda solenidade do gênero cresce a cada evento desse porte, o Itaquerão deixou muito a desejar, em tamanho – com suas arquibancadas descobertas – e sem acústica. O Maracanã ou o Morumbi teriam sido locais ideais; ambos descartados por questões políticas e comerciais. Ficamos devendo em relação a quatro anos atrás, com as 90 mil pessoas vibrando no Soccer City em Joanesburgo.

Mais débito Ficamos devendo também à abertura dos Jogos Olímpicos de Berlim em 2006; à Olimpíada de Seul, em 2002, e mais ainda para a abertura suntuosa em Saint Dennis, em 1998. Vaias sempre vão existir em estádios, toda vez que um político e um cartola poderoso do futebol aparecem no telão. E não querem dizer muita coisa. Em 2007, Lula foi vaiado ao lado de Carlos Nuzman na abertura dos Jogos Pan-Americanos e em 2010, quando elegeu Dilma Rousseff.

Gol enganador O terceiro gol, do Oscar, não refletiu o futebol praticado pelas duas equipes. Foi certamente, na primeira fase, o melhor adversário do Brasil que não deverá enfrentar tantas dificuldades contra México e Camarões. Também pode ser debitada na conta dessa estreia ruim a tal “ansiedade” do primeiro jogo, de estrear numa Copa do Mundo jogada em casa.

Abaixo da expectativa Uma das maiores expectativas com relação à abertura da Copa do Mundo de 2014 era em relação ao tamanho dos protestos. Pelo que as TVs mostraram, a quase totalidade de quem foi para as ruas foram marginais que não tinham muito a ver com protesto político. Mesmo assim, fizeram um bom estrago e certamente terão tratamento mais duro das polícias nos próximos dias de jogos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave