Nós temos Neymar

iG Minas Gerais |

Foi bela a festa de abertura. A Croácia dificultou bastante, mas o Brasil venceu, graças a Neymar, a Oscar e também em função de erro absurdo do árbitro. Será que, inconscientemente, por causa da expulsão de Felipe Melo, na Copa de 2010, ele quis agradar ao Brasil? Vão aumentar as crenças, as suposições e as paranoias de que, se apertar, na dúvida (nesse lance, não houve dúvida), a seleção brasileira será beneficiada. Faltou à seleção brasileira um Luka Modric no meio-campo. Ele joga demais. Os lances perigosos contra o Brasil, como o gol, saíram de jogadas pelas laterais, especialmente em cima de Daniel Alves. Como todos os outros times vão bloquear os avanços dos laterais brasileiros, como fez a Croácia, será que Maicon, por marcar melhor, não seria a melhor opção? Luiz Gustavo e a zaga atuaram bem. Já Hulk, Fred e Paulinho foram mal. Fred quase não pegou na bola. Oscar foi excepcional, no ataque, na marcação, e ainda fez um gol, no contra-ataque, após uma bela defesa de Julio Cesar. Ainda bem que temos Neymar. A vitória e a atuação do Brasil não mudam em nada os prognósticos para a Copa. Quando questiono o excessivo otimismo, às vezes, a prepotência, de achar que é impossível perder a Copa do Mundo em casa, digo isso não porque os jogadores podem diminuir a vibração. Isso nunca vai ocorrer. Quero apenas salientar que a seleção, mesmo sendo a maior favorita, não é nenhuma maravilha. Não será uma grande surpresa se o Brasil perder. Se existem outras três seleções fortes (Argentina, Espanha e Alemanha), além de outras, que têm pouquíssimas chances de ser campeãs, deduzo, mesmo sendo um péssimo estatístico, que as possibilidades de o Brasil ganhar o título são menores que 50%. Tenho também a sensação e a vontade de afirmar que o Brasil será campeão, mas o futebol e a vida me ensinaram que essa certeza é mais fruto do desejo e da onipotência do pensamento.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave