Verdade inegável

iG Minas Gerais |

Teve de tudo. Futebol, manifestação, destruição do patrimônio público e comemoração do Dia dos Namorados. Mas a Copa do Mundo começou, e o brasileiro entrou na festa do futebol. No campo, a seleção fez bem o dever de casa – venceu por 3 a 1 uma equipe que não é fraca. O jogo também teve de tudo: de pênalti inexistente a gol contra. O estádio estava cheio, e a torcida, animada. Nas ruas de algumas das capitais brasileiras, como Belo Horizonte e São Paulo, grupos de manifestantes – em número bem menor do que o visto no ano passado – trataram de depredar prédios públicos e praticar a violência. As polícias pouco fizeram. Apesar dos atos de vandalismo, a população sentiu pouco. A maioria estava envolvida com o futebol, assistindo ao jogo pela televisão em reuniões com amigos e familiares. Os políticos aproveitaram para aparecer. O que não faltou foi foto de candidato com camisa e bandeira do Brasil, comemorando os gols da seleção canarinho. A presidente Dilma Rousseff, que estava no estádio, chegou a ganhar vaias, mas teve também motivos para comemorar. Além da vitória no campo de futebol, o primeiro dia da Copa do Mundo no país não foi a catástrofe que muitos imaginavam. É possível dizer que, no campo da política, o jogo entre oposição e governo continua no zero a zero. Dilma Rousseff ainda não ganhou nada, mas a oposição também não conseguiu faturar nada com um possível fracasso do evento. É verdade que ainda é muito cedo para concluir quem sairá, politicamente, vitorioso desta Copa do Mundo. Muitas coisas ainda podem acontecer para o bem ou para mal. Entretanto, parece que essas coisas vão acontecer à medida que devem mesmo acontecer. Em outras palavras, a democracia brasileira está sendo capaz de abrigar todas as tendências da sociedade. Cabe quem gosta de Copa, independentemente de gastos, cabe quem gosta da Copa, mas não admite abusos e desvios, cabe quem não gosta da Copa e cabe ainda quem não gosta da Copa e quer destruí-la. Todos têm o direito de expressão, seja indo ao estádio de futebol, assistindo aos jogos na televisão, indo para a rua protestar ou posando para a foto. Outra coisa fica evidente: todo grande evento, no Brasil ou em qualquer parte do mundo, sempre vai provocar aprovação e desaprovação. Não existe unanimidade em torno de algo que é tão inexplicável quanto a mobilização que um campeonato de futebol pode causar. E é bom que seja assim. O importante é conciliar as vontades e os desejos, na medida do tamanho de cada um. A maioria da população brasileira é muito apaixonada pelo futebol. Essa verdade se impôs. Assim como ficou muito claro para todo o país que o interesse na violência é objetivo de poucos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave