Breves retratos do presente

As artistas Marta Neves e Selma Andrade inauguram exposições individuais amanhã na galeria Orlando Lemos

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

Obra. Trabalhos de Marta Neves questionam a relação da sociedade com questões como a violência
Marta Neves
Obra. Trabalhos de Marta Neves questionam a relação da sociedade com questões como a violência

Enquanto Marta Neves elege o bordado e a colagem para criar as peças da mostra “Vou Chupar os Gringo Tudo”, que será aberta amanhã junto com outra exposição, “Bolsa de Valores’, de Selma Andrade, na galeria Orlando Lemos, a segunda artista recorre à pintura.

Em comum, as duas, apresentam criações que se aproximam ao propor reflexões sobre o presente. Marta, ao ressaltar cenas ainda frescas no imaginário popular, afirmar mirar o comportamento da sociedade, que muitas vezes, se denuncia ávida por sensacionalismos. Já Selma, ao revelar o interior de bolsas de mão, chama atenção para a relação das pessoas com os objetos de consumo.

O contraste entre o uso dos elementos, que segundo Marta podem atribuir uma qualidade “fofinha” às situações retratadas, atenuam, porém visões maniqueístas. Em vez de apontar julgamentos, ela diz estar mais interessada em provocar a opinião do público.

“Acho interessante esse confronto com elas mesmas. Até que ponto isso de fato acontece é algo mais sutil. Talvez algumas pessoas reparem mais no tom engraçado e patético de algumas composições, outras talvez nem isso. Os trabalhos estão tão intricados em uma fronteira que pode estar associada tanto ao que elas talvez considerem bonito ou cafona que permitem vários tipos de leitura”, observa a artista, que participa da Bienal Internacional de Arte de São Paulo deste ano.

Colabora para esse deslocamento a ironia ali presente não apenas no título da exposição, mas no próprio tratamento sofisticado, por meio das obras, a algum repertório que já pode ter sido conhecido via diversos canais dos meios de comunicação encontrados atualmente.

“Essa é uma tônica recorrente no meu trabalho. A ironia funciona junto com essa estratégia de criação de uma estética kitsch que questiona essas fronteiras do bom e do mau gosto. Até que ponto conseguimos deslocar algo que está localizado em um desses polos para o extremo oposto me interessa muito”, observa Marta Neves. “Os trabalhos questionam essa linha bastante tênue que define o bom e o mau, o certo e o errado”, conclui.

Intimidade. Em vez de se apropriar de algo de acesso público para frisar algumas características sociais, Selma Andrade mergulha na intimidade das pessoas. Em suas pinturas, ela investiga o que elas levam consigo diariamente. “É interessante como o interior das bolsas refletem personalidades bastante diferentes. Por outro lado, alguns objetos são comuns, como os batons e os remédios para dor de cabeça”, diz Selma Andrade. Sua observação combate alguns mitos. “Dizem que as mulheres carregam tudo com elas, isso cada vez acontece menos. Todo mundo parece se importar apenas com o básico, o que acredito ser um reflexo da preocupação com roubos ou com a violência”, avalia Selma Andrade.

Agenda

O quê. Mostras de Marta Neves e Selma Andrade

Quando. Abertura amanhã, Visitas de 2ª a 6ª, das 10h às 19h; sáb., das 11h às 17h; dom., das 12h às 16h). Até 26/7

Onde. Galeria Orlando Lemos (rua Melita, 95, Jardim Canadá Nova Lima)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave