Suíça abre ação penal contra Paulo Roberto Costa

País europeu processa empresário por lavagem de dinheiro

iG Minas Gerais |

Preso. Paulo Roberto Costa foi transferido ontem do Rio de Janeiro, onde foi preso, para o Paraná
Fernando Frazão/Ag. Brasil - 11.6.2014
Preso. Paulo Roberto Costa foi transferido ontem do Rio de Janeiro, onde foi preso, para o Paraná

Brasília. A Justiça da Suíça abriu processo penal contra o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso novamente nessa quarta no Rio. Os investigadores suíços imputam formalmente a Costa o crime de “ofensa de lavagem de dinheiro”.  

Horas antes da prisão dele, a Suíça informou às autoridades brasileiras que bloqueou US$ 23 milhões em 12 contas atribuídas ao ex-diretor da estatal petrolífera em cinco instituições financeiras naquele país. Outros US$ 5 milhões também embargados foram localizados em conta de João Procópio Junqueira Pacheco de Almeida Prado, suposto “colaborador” do doleiro Alberto Youssef, alvo maior da Operação Lava Jato.

A informação sobre a instauração de processo penal contra Paulo Roberto Costa está no Pedido de Assistência Judiciária em Matéria Penal do Ministério Público da Confederação da Suíça enviado ao Brasil no dia 28 de maio. O documento é subscrito pelo procurador federal suíço Luc Leimgruber.

Já a ordem para Paulo Roberto Costa retornar à cadeia foi decretada nessa quarta pela Justiça Federal no Paraná após comunicação do Ministério Público da Suíça sobre a abertura de processo penal. O juiz federal do Paraná Sérgio Moro, que deflagrou a Operação Lava Jato, viu “risco de fuga” do executivo. “Há risco à investigação e à instrução, não só em relação às ações penais em andamento, mas também quanto às investigações complementares em andamento pela Polícia Federal, evidenciado pelo fato de familiares do acusado terem sido surpreendidos, durante as buscas, destruindo ou ocultando provas, o que só pode ter sido feito a seu mando, e ainda por ter tentado dissipar valores mantidos em contas correntes a fim de ocultá-los do sequestro judicial”, assinalou o juiz.

Suspeitas. O Ministério Público Federal do Paraná acredita que Paulo Roberto Costa tem mais contas bancárias em outros países. Segundo o procurador Carlos Fernando Lima, a descoberta das contas na Suíça irá gerar novas investigações sobre lavagem de dinheiro, inclusive envolvendo os parentes do ex-diretor da Petrobras.

“Essa situação, muito provavelmente, vai gerar novas denúncias contra essas pessoas (parentes de Costa), mas o pedido da prisão delas ainda é uma questão a ser analisada de acordo com a conveniência dos fatos. Isso não está previsto no momento”, explicou o procurador da República.

SBM confirma que não participará de licitações Brasília. A SBM Offshore, fornecedora da Petrobras, confirmou nessa quarta, em Amsterdã, que não participará das licitações realizadas pela Petrobras para contratos de aluguel de navios-plataforma para as áreas de Tartaruga Verde, na Bacia de Campos, e Libra, no pré-sal da Bacia de Santos. O impedimento havia sido anunciado há duas semanas pela presidente da estatal, Graça Foster. Os contratos da SBM, de origem holandesa, com a Petrobras são alvo de investigação da Controladoria Geral da União (CGU), do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Polícia Federal (PF) desde que se tornou pública, em fevereiro, a denúncia de que a fornecedora teria pago US$ 139 milhões em propinas para fechar contratos com a Petrobras entre 2007 e 2011.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave