Savassi Cultural leva oito mil pessoas em Belo Horizonte

Região nobre da capital recebe, mais uma vez, torcedores que sonham com mais um título mundial da seleção brasileira

iG Minas Gerais | LORENA K. MARTINS |

A região da Savassi sempre foi palco da Copa do Mundo. Em 98, pra quem se lembra, muita gente usou a praça principal da região para chorar a vitória da França naquele ano. Em 2002, foi a vez todo mundo foi comemorar o pentacampeonato. E foi com festa, é claro, este ano, com um fôlego a mais na seleção, já que ela joga em casa, a região não podia estar mais receptiva para mais uma temporada de jogos: Cerca de 8 mil pessoas estiveram presente na mesma praça de sempre, desta vez com o evento Savassi Cultural, que transmitiu os jogos em dois grandes telões bem distribuídos além de fornecer atrações culturais, como o show do Milton Guedes, que finalizou a noite de ontem logo após a vitória do Brasil contra a Croácia.

O clima era mesmo de Copa, da galera que vestiu de verde e amarelo e queria torcer mas não dispensou outras intenções. Em clima do Dias dos Namorados, teve casal que trocou jantar a luz de velas para torcer junto. "Fizemos um acordo e resolvemos comemorar torcendo para o Brasil", justificou o casal Thaisa Garcia, 27, e Saulo Lana, 28. Por outro lado, a comemoração só serviu de impulso para as mulheres - que dominaram a multidão - que estavam solteiras. "Tem bastante homem interessante, mas tá faltando os gringos", brincou a estudante Bárbara Roger, 22, que estava acompanhada de mais duas amigas. Todas solteiras, é claro.

De fato a queixa das meninas eram os gringos que estavam quase que escondidos. Excetos pelos colombianos, esses sim estavam quase que competindo com a imensidão verde e amarela dos mineiros. "Viemos acompanhar o jogo da Colômbia contra a Grécia, mas também viemos para a festa brasileira" contou Angela Reyes, 28, colombiana que veio visitar a cidade pela primeira vez.

Em outro canto da praça, a nutricionista Amanda Bayna curtia o jogo com sua filha Larissa, de três anos, em clima de despedida. "Vou me mudar para o Caribe no próximo dia 28 então quero torcer em todos os jogos possíveis", disse. Mesmo carregando a bandeira de um dos espaços públicos mais democráticos da cidade, a Savassi recebeu também quatro simpáticas mochileiras argentinas que pintavam os rostos com as cores da bandeira brasileira em quem quiser que passasse perto delas. Uma situação no mínimo estranha se tratando do principal adversário do Brasil no tema futebol. "De todos os lugares do Brasil que já visitei, os mineiros são as pessoas mais amáveis. E vai dar Brasil nessa Copa", justifica a argentina e brasileira de coração Florencia Zaccagnino, 26. Se até a Argentina - ou parte dela- quer que o Brasil ganhe essa Copa, não resta dúvidas de os mineiros pensem diferente. "No fim da Copa estarei aqui na praça mais uma vez só que comemorando a vitória brasileira", contou o administrador Ricardo Silva, 29, que está com os ingressos trocados para todos os dias do Savassi Cultural.  

Leia tudo sobre: Copa do MundoSavassi CulturalMundial 2014