Entrada da torcida tem provocação e falhas para cadeirantes

Jogo de estreia da Copa do Mundo conta com torcedores de várias nacionalidades

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

PORTAL DA COPA/ DIVULGAÇÃO
undefined

A partida será entre Brasil e Croácia, mas a abertura da Copa do Mundo atraiu mais do que brasileiros e croatas no Itaquerão. Argentinos, australianos, chilenos, colombianos, equatorianos, franceses e italianos estavam no entorno do estádio, na manhã desta quinta-feira (12). Os torcedores aproveitaram a oportunidade para se conhecer e trocar provocações, como um grupo de brasileiros que passou a gritar "Olic, viado!" para alguns croatas que não entenderam a piada. Alguns colombianos também provocaram, mas as brincadeiras eram para os brasileiros. "Colombia va a salir campeón", gritaram, adaptando canto tradicional dos torcedores argentinos. Os torcedores ouvidos pela reportagem elogiaram o entorno do estádio e contaram que não tiveram dificuldade para encontrar os portões de acesso e nem para chegar a região. "A organização da Copa está perfeita para mim. Estou há uma semana no Brasil e não tive nenhum problema. O acesso ao estádio está ótimo. Vi muitas notícias negativas e temi a Copa, mas hoje vejo que tudo está saindo bem", disse o croata Rudolf Ravlija, 37, que estava acompanhado de um grupo de mais de 15 croatas. O argentino Martín Miguel, 38, estava ao lado de outros três amigos argentinos registrando fotos com o celular. Ao atender a reportagem também demonstrou otimismo. "Acho que probleminhas sempre vão existir, mas houve um esforço grande para a Copa ser organizada. Eu não tenho reclamações. O povo é muito cordial, mesmo conosco que somos argentinos. Vamos torcer por um bom espetáculo das seleções", disse. Já os amigos Stjepan Tomljanovic, 30, e Tomislav Durjevic, 28, ambos croatas, estavam curtindo o intercâmbio com os brasileiros. Em frente ao portão de acesso, tiraram fotos, deram entrevistas para diversas televisões internacionais e tomaram muita cerveja. "É uma festa bonita, as pessoas são educadas. O transporte funcionou. Usamos o metrô e correu tudo bem. Infelizmente hoje é nosso penúltimo dia no Brasil. Voltamos na segunda a Croácia", disse Durjevic. PROBLEMAS No acesso dos torcedores ao estádio, assim que os portões foram abertos às 13h, os cadeirantes estavam com dificuldades de encontrar a entrada correta. Alguns pediram ajuda para a reportagem, uma vez que havia poucos voluntários no local e a concentração de pessoas era muito grande. Alguns tiveram de cruzar o setor leste até o lado oeste. A situação não gerou tumulto. Mas exigiu um pouco de paciência dos torcedores cadeirantes, como um casal de senhoras australianas, que agradeceu à reportagem pela ajuda, apesar de não conceder entrevista. Um dos cadeirantes que aceitou ser entrevistado, entretanto, explicou que o acesso ao estádio tinha sido tranquilo, sem problemas e com diversas indicações mostrando a localização dos setores do estádio. "Não posso reclamar. Não tive dificuldade. Vou ficar no setor oeste, mas estou na rua para observar o movimento. Nunca tinha vivido esse clima de Copa. Quem dera fosse sempre assim", disse Fred Rosas, 43. Ele estava acompanhado do cunhado Frank Melo, 34, que também pisava em um estádio pela primeira vez. "Só posso dizer que é maravilhoso. Reclamações? Ainda não tenho e acho que dificilmente terei. Está tudo ótimo".