Mesmo credenciados, jornalistas foram barrados na Cidade do Galo

Informações truncadas e delegado da Fifa teriam impedido que cerca de 50 profissionais da imprensa entrassem no CT do Atlético para acompanhar os trabalhos da seleção da Argentina na manhã desta quinta-feira

iG Minas Gerais | Felipe Ribeiro |

Quando o treino e as entrevistas coletivas já haviam acabado e todos os jornalistas deixavam a Cidade do Galo, o lado de fora reservou um princípio de confusão. Alguns profissionais da imprensa tinha a credencial da Fifa, mas foram barrados.

Anderson Nunes Tinoco, que seria delegado da Fifa segundo o jornalista argentino Demián Alday, do "Diário Hoy", da cidade de La Plata, teria barrado os repórteres e cinegrafistas alegando que o chefe de imprensa da Argentina havia encerrado as entradas.

"O delegado da Fifa falou mentira, pois Coco Ventura, o chefe de imprensa da Argentina nos falou que nem sabia que estávamos aqui fora", disse Alday, que em meio a um começo de confusão alegou ter sido empurrado por policiais militares. O argentino tinha um ferimento no cotovelo pela queda.

 Já o italiano Emanuele Gamba, do jornal "La Republica", também estava revoltado diante da situação e foi uma das pessoas que cercaram o chefe de imprensa argentino. "O responsável da Fifa não se explicou. Simplesmente chegou selecionando quem ia ou não entrar. Disseram que como não chegamos às 10h (horário do início do treino) não poderíamos entrar. Só acho incrível a federação argentina não ter ficado sabendo", relatou Gamba.

Leia tudo sobre: ArgentinatreinoCidade do Galocredencial