César Sampaio revela sensação de abrir um jogo de Copa do Mundo

Ex-volante que marcou um gol na vitória sobre a Escócia, em 1998, conta como foram os momentos antes da partida

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Sampaio prevê que Croácia vá jogar em busca de qualquer resultado e diz para atletas terem planejamento
Fifa/Divulgação
Sampaio prevê que Croácia vá jogar em busca de qualquer resultado e diz para atletas terem planejamento

A tensão que antecede um jogo de abertura de Copa do Mundo tem dimensões que muita gente não consegue dimensionar. Na verdade, é um privilégio de pouquíssimos estar nessa situação, que requer muita concentração e responsabilidade. Que o diga César Sampaio, ex-volante da seleção, que estava em campo em 1998, quando o Brasil enfrentava a Escócia e venceu com um gol do atleta.

Para ele, a sensação é diferente de qualquer outra, e foi sentida de repente pelo atleta quando já estava em campo, cantando o Hino Nacional.

“Você não imagina o que é uma estreia. Eu lembro do dia anterior: da hora do almoço em diante, o tempo já passava mais lento. A noite toda foi mal dormida. Eu só fui me dar conta de que estava abrindo uma Copa do Mundo na hora em que tocou o Hino Nacional e comecei a pensar em tudo: na minha infância, na minha vida toda. É tenso demais; é muita ansiedade: você quer fazer tudo em cinco minutos”, afirmou Sampaio, em entrevista ao site da Fifa.

Para o primeiro jogo desta Copa, em que o Brasil enfrenta a Croácia, os europeus vão entrar no jogo buscando qualquer resultado, mas brasileiros devem manter foco e não se deixar levar pelo clima de euforia.

“Para os croatas, qualquer resultado serve. Claro que eles entram para ganhar, mas mesmo uma derrota é, de antemão, justificável. É como quando você vai pedir algo a alguém sem muita esperança de conseguir: o 'não' você já tem. Se vier um 'sim', é lucro. Por isso é que, do lado da Seleção, o importante é separar as duas Copas: a Copa do torcedor - que envolve bagunça, festa, favoritismo e cobrança - e a Copa dos atletas, com estratégia, paciência, organização... É sempre assim, mas, numa estreia, mais ainda”, completou.