Sem greve, metrô de São Paulo funciona normalmente e recebe elogios

Poucas horas antes da abertura da Copa, brasileiros e estrangeiros, entre eles croatas e colombianos, destacaram facilidade de acesso ao Itaquerão

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

São Paulo. Quinze minutos. Este foi o tempo que a equipe de reportagem de O TEMPO gastou entre a estação da Luz e a estação Corinthians-Itaquera. Com o metrô de São Paulo funcionando normalmente nesta quinta-feira, a melhor opção para chegar ao estádio que recebe a abertura da Copa do Mundo é mesmo o transporte público.

A poucas horas do início da partida, a movimentação nas estações é bastante tranquila e acontece sem maiores transtornos até mesmo nas linhas que passam pelo estádio, mas não fazem o trajeto sem escalas. A caminhada também é agradável, sendo que a distância entre a estação e o estádio é de 1km. A fluidez do transporte recebeu elogios de brasileiros e também de estrangeiros.

“Foi muito rápido. Em vista do que temos na Colômbia, eu fiquei impressionado com a rapidez e a tranquilidade. Muita gente está falando mal do Brasil, mas eu acho que eles estão com uma impressão errada do país”, afirmou o colombiano Alejandro Paredes, que partiu de Bogotá com seus amigos John Dominguez, Fabián Vargas e Jason Dominguez para acompanhar a abertura da Copa e todos os jogos da Colômbia.

Animados para acompanhar a estreia da Copa, os xarás croatas Spikic Stanko e Spikic Stante também elogiaram o clima de festa e o bom funcionamento do metrô. “Chegamos aqui bem rapidamente. Não tivemos transtornos e todos estão tentando nos ajudar da melhor maneira possível”, disse Stante.

“As pessoas lá fora estão falando que o Brasil é perigoso, um lugar que não se pode andar pelas ruas. Estou no Brás desde a semana passada e não tem nada disto. Eles precisam conhecer aqui melhor”, completou o croata, que a todo o momento era assediado por brasileiros e outros turistas em busca de fotos com o bandeirão croata personalizado.

Leia tudo sobre: Copa do MundometrôSão Pauloaberturatranquilidadegreve