Funcionários proibidos de tietar argentinos na Cidade do Galo

Determinação faz com que staff envolvido no centro de treinamento atleticano foque apenas o trabalho do dia a dia e fique distante dos grandes craques do futebol mundial na atualidade

iG Minas Gerais | Felipe Ribeiro |

O jardineiro Leandro de Assis nem arrisca tentar uma foto com os argentinos e foca seu trabalho
Webrepórter/Felipe Ribeiro
O jardineiro Leandro de Assis nem arrisca tentar uma foto com os argentinos e foca seu trabalho

Nada de autógrafos, fotos de treino, muito menos o famoso selfie. Quem trabalha na Cidade do Galo durante a passagem da seleção argentina pelo local tem que se dedicar integralmente ao trabalho do dia a dia e esquecer que grandes craques do mundo da bola estão por perto.

Todos os funcionários do centro de treinamento estão proibidos de ter qualquer contato mais próximo com os jogadores hermanos. A determinação visa a privacidade dos atletas e o afastamento de qualquer clima de oba-oba durante a preparação para o Mundial.

O jardineiro Leandro de Assis trabalha no centro de treinamento do Atlético há quatro meses e está acostumado a ter jogadores consagrados andando por todos os lados do local. Ronaldinho, Jô, Victor e Réver são alguns deles. Com os alvinegros o acesso é mais fácil, mas, com Messi & Cia a situação é muito diferente.

"Fomos comunicados que não podemos tirar foto nem pegar autógrafo dos argentinos. Por mim tudo bem, porque sou mais reservado, fico apenas trabalhando mesmo. Tem alguns que ficam tirando foto com Ronaldinho nos treinos do Galo, mas eu fico mais na minha", disse Leandro.

Leia tudo sobre: ArgentinaCidade do GaloCopa do Mundo