Com fé na criatividade e na capacidade de um povo

iG Minas Gerais |

Chegou o dia tão esperado da abertura da Copa do Mundo, e lembrei-me da expectativa positiva que eu tinha em relação a este momento. Nutria muita esperança de grandes conquistas para o país com a realização deste megaevento. Há quatro anos, dia da abertura da Copa da África do Sul, quando jogaria a seleção anfitriã contra o México, escrevi o seguinte no jornal O TEMPO: “Comparo tudo que vejo aqui com a nossa realidade no Brasil, focando especialmente Minas Gerais e Belo Horizonte em 2014. Já imagino a nossa Copa do Mundo e a festa que entrará para a história, assim como os sul-africanos estão fazendo. Acordei com o barulho dos primeiros toques das vuvuzelas, por volta das 6h30. Bem distante do estádio Soccer City, porém, toda Joanesburgo envolvida com a abertura da Copa. Tráfego mudado em várias regiões, escolas sem aulas e clima de festa. Rádios e TVs transmitindo programas especiais e todos os jornais com fotos e manchetes voltadas ao dia em que o mundo voltou seus olhos para a África. Casas, prédios e comércio embandeirados, buzinaços, automóveis com faixas e capas de retrovisores lembrando os 32 países que mandaram suas seleções para cá...” Alegria contagiante E prosseguia: “... Uma das cenas que não vou esquecer é a de duas senhoras, na faixa de presumíveis 70 anos, bem agasalhadas com seus casacos de lã, bandeiras sul-africanas em punho, tocando suas vuzuzelas e dançando, antes das 8h, na Queens Street, no bairro de Kensigton, que não tem nada a ver com o estádio Soccer City. Gente simples, feliz, no embalo da autoestima em alta, que o futebol está proporcionando à África do Sul...” Semelhanças E concluía: “... País cheio de problemas, governantes complicados, porém povo animado, que sabe fazer uma boa festa e de calor humano fantástico. Grandes semelhanças conosco! Por tudo que estou vendo aqui e pelo que conheço do Brasil, podemos fazer até bem melhor em 2014. É uma chance de afirmação perante o mundo, oportunidade de o planeta conhecer nossos problemas e sentir a criatividade e a capacidade de reação de um povo...” Esperança Apesar de tantas frustrações com o que não foi realizado e com tantos erros e falcatruas, continuo esperançoso de que o país tire muito proveito da organização desta Copa. A África do Sul teve aumento em torno de 30% em seu fluxo turístico anual a partir do primeiro ano da Copa porque quem cancelou de pacotes na última hora se arrependeu. Festa O mesmo aconteceu com quem nem pensou em ir, por medo, imposto pelas notícias, imagens e comentários amedrontadores, principalmente da imprensa europeia. Quem esteve lá gostou demais, fez propaganda positiva, e milhares retornaram para curtir de novo e conhecer outros lugares. Somos um povo receptivo, festeiro, e este clima misturado de festas juninas com Carnaval que estamos vivendo certamente durará até o último apito do árbitro no Maracanã, no dia 13 de julho.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave