Sem credencial, Ghiggia critica falta de organização na Copa

Uruguaio afirmou que foi convidado pela Fifa para vir ao Brasil, mas não tem lugar garantido na abertura do Mundial

iG Minas Gerais | Da Redação |

undefined

Ficar em pé por mais de meia hora à espera de um carro da federação internacional, além de ser convidado pela Fifa e não ter credencial, nem mesmo um ingresso para a abertura da Copa do Mundo. Foi o que relatou o ex-jogador Alcides Ghiggia, o carrasco do Brasil na Copa de 1950. 

Aos 87 anos, ele apresenta dificuldades de locomoção e teve de aguardar somente com o apoio de uma muleta a chegada do veículo oficial do evento, na saída do congresso da entidade.

"Estou aqui há meia hora e não me falam nada sobre o carro. Está muito desorganizado, muito pior que outras edições do Mundial. Não tenho credencial, não tenho ingresso", desabafou o uruguaio.

A mulher dele, Beatriz Ghiggia, também estava no local e não poupou críticas à Fifa. "Ele é um senhor de idade, sofreu um acidente. Tem problemas de locomoção. Se não me disserem nada até amanhã ou mandarem um carro ir me buscar, vou embora. Não quero mais nada", reclamou. 

O autor do gol da vitória uruguaia por 2 a 1, no episódio que ficou conhecido como o Maracanazzo, Ghiggia comentou a situação do atacante Luis Suárez e se mostrou confiante na recuperação do camisa 9, que sofreu uma lesão no joelho às vésperas do torneio. 

"Acho que ele vai jogar", completou. 

Leia tudo sobre: GhiggiaCopa do MundofutebolcríticadesorganizaçãoBrasiluruguaiomaracanazzoFifa