Justiça apreende computadores na Eletrobrás por perfis de Aécio

Outros mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos pelo Ministério Público fluminense, mas detalhes não foram divulgados a pedido do promotor

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Aécio diz que em novembro 'as coisas vão melhorar'
Divulgação
Aécio diz que em novembro 'as coisas vão melhorar'

A Justiça determinou nesta quarta-feira (11) a apreensão de computadores em um prédio da Eletrobrás após pedido feito pelo MPE (Ministério Público do Estado) do Rio de Janeiro, que investiga o uso dos equipamentos na criação de perfis com ofensas ao pré-candidato à Presidência pelo PSDB, senador Aécio Neves (MG).

Outros mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos pelo Ministério Público fluminense, mas detalhes não foram divulgados a pedido do promotor responsável pelo caso, para não atrapalhar as diligências.

Os MPs do Rio e de São Paulo abriram investigações, também nesta quarta (11), para apurar o uso de pessoal e infraestrutura públicos em ataques a Aécio pela internet.

O caso da Eletrobrás, revelado pela revista "Veja" em abril, diz respeito a uma tática chamada "spam de comentários", que tem como objetivo fazer com que os sistemas de busca na internet, como o Google, associem automaticamente o nome dos políticos aos termos pejorativos utilizados pelos detratores.

O procurador-geral de São Paulo determinou à Promotoria de Guarulhos que investigue a utilização de equipamentos e servidores da prefeitura para a criação de perfis falsos em redes sociais que vinculavam o senador a hábitos como o consumo abusivo de álcool.

Já o chefe do Ministério Público do Rio determinou a abertura de procedimento investigatório contra perfis que disseminavam, com a ajuda de robôs, comentários ligando o nome de Aécio a desvio de verbas.

Esses mesmos perfis utilizaram o mesmo expediente para vincular o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) e o prefeito carioca, Eduardo Paes (PMDB), a milícias e ao consumo de drogas. Ambos os casos foram revelados pela Folha de S.Paulo, a partir de documentos anexados a processos que correm na Justiça paulista --um deles, sob sigilo.

"É extremamente importante o que houve, porque agora o Ministério Público assume a responsabilidade de investigar essas quadrilhas virtuais", disse o deputado federal Carlos Sampaio, coordenador jurídico da pré-campanha de Aécio.

Na terça-feira (10), O TCE (Tribunal de Contas do Estado) paulista determinou que o contrato entre a Prefeitura de Guarulhos e a PG Comunicação, empresa responsável pelas peças de publicidade do município, é irregular. A prefeitura espera a publicação do acórdão para recorrer.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave