Receoso, Felipão proíbe que jogadores brinquem como goleiros

Episódio de Emerson, em 2002, serve de espelho para que imprevistos voltem a acontecer novamente na véspera da estreia

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Luiz Felipe Scolari, técnico da Seleção Brasileira de Futebol
Wander Roberto/VIPCOMM
Luiz Felipe Scolari, técnico da Seleção Brasileira de Futebol

Para evitar um novo corte na véspera da Copa, Luiz Felipe Scolari proibiu os jogadores de linha de atuarem como goleiro nos treinos para a Copa do Mundo. Felipão já determinou que nem nos rachões os atletas poderão substituí-los. No domingo (8), Neymar fez uma defesa no gol e foi repreendido pela comissão técnica. A proibição do técnico é uma tentativa de evitar um drama semelhante ao de Emerson em 2002. Então capitão da equipe, o ex-gremista foi cortado do Mundial um dia antes da estreia da seleção. No treino de reconhecimento do estádio de Ulsan, na Coreia, ele sofreu uma luxação no ombro direito brincando de goleiro no rachão. Emerson era o capitão do time e foi cortado no vestiário. Para substitui-lo, Felipão chamou Ricardinho. Neste ano, Emerson reclamou pela primeira vez da atitude do treinador. "Ele desabafava comigo, eu era o confidente dele. Sempre estive presente quando ele precisou de mim. Quando eu precisei, ele me faltou", declarou o ex-jogador, durante uma palestra no Rio Grande do Sul. Felipão não quis polemizar com Emerson. Nesta quarta (11), os jogadores devem fazer um recreativo no gramado do Itaquerão.