Polícia e Exército vão vigiar trens e metrô na abertura da Copa em SP

Assim como os policiais militares, os homens do Exército estarão equipados com armamento menos letal, como balas de borracha, bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo, cassetetes e escudos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Polícia Militar fará o policiamento das estações de metrô e trem no dia da abertura da Copa do Mundo em parceria com o Exército. De acordo com o comandante da Polícia Militar, coronel Benedito Meira, os soldados serão um "complemento" da ação coordenada pela PM. "Em toda extensão da linha leste-oeste, toda a extensão do Expresso da Copa haverá policiamento. Em complemento com o Exército. E nos pontos críticos que nós temos, estaremos com o COE, o Comando de Operações Especiais", afirmou.

Assim como os policiais militares, os homens do Exército estarão equipados com armamento menos letal, como balas de borracha, bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo, cassetetes e escudos. O policiamento feito pelas duas forças acontecerá independentemente se houver greve no metrô, afirmou Meira.

Durante inauguração do Copom (Centro Operacional da Polícia Militar), na manhã desta quarta-feira (11), o comandante geral minimizou os possíveis protestos que podem ocorrer na abertura do mundial. Segundo Meira, agora não é mais o "momento para se manifestar", pois o clima no país às vésperas da Copa é " de festa". "Agora não é a mais momento de manifestação. O clima que tem no nosso país é um clima de festa. A Copa vai ter que acontecer, o investimento já foi feito e não cabe a nós discutir se foi correto ou não", afirmou.

Nesta quinta (12), movimentos sociais contrários a realização do mundial devem promover um ato na zona leste de São Paulo. Chamado de "Ato Se Não Tiver Direitos Não Vai Ter Copa", o evento está programado para ocorrer às 10h em frente à estação Carrão do Metrô. Há a possibilidade da avenida Radial Leste ser fechada pela manifestação durante a manhã. A via é o principal acesso do centro de São Paulo à região do estádio do Itaquerão, palco do jogo entre Brasil e Croácia, às 17h. "Eu entendo que não é mais o momento de fazer manifestação e impedir as pessoas de chegar ao estádio", disse Meira. O coronel afirmou também que usará, se for preciso, a "tropa do braço", a força especial da PM para agir em protestos.

De acordo com Meira, os homens estão a disposição do contingente que deve atuar no policiamento do mundial. Segundo o coronel, a estratégia que será usada durante o protesto será discutida em uma reunião com o alto comando da PM ainda nesta quinta.

Leia tudo sobre: Copa do mundoPolíciaExércitosegurançatremmetrôSão PauloManifestaçõesProtestosBrasil