O Brasil ganha ou não ganha?

Interpretações vão de resultado arranjado a derrota da nossa seleção

iG Minas Gerais | Ana Elizabeth Diniz |

Difícil e arriscada a tarefa de prever qual seleção será a campeã da Copa do Mundo. E os oráculos não entraram em sintonia. A numeróloga Aparecida Liberato ressalta a boa atuação e o brilho de jogadores como Marcelo, David Luiz, Fred, Thiago Silva e Neymar, mas assegura que nem eles vão segurar a vitória do time brasileiro.  

“O Brasil se encontra sob a energia 31 (cuja soma é quatro) durante os jogos da Copa do Mundo, número que traz obstáculos, desajustes, lentidão e exige extrema organização e atenção a detalhes. Tudo demora mais a acontecer e há constantes impedimentos para se conseguir chegar aos resultados esperados. O técnico Luiz Felipe Scolari não tem números propícios para vencer essa Copa. Sua energia nos meses de junho e julho não o favorece”, revela Aparecida.

Até o físico britânico Stephen Hawking, uma das maiores autoridades em cosmologia, arriscou um palpite baseado na matemática das probabilidades e publicou seus comentários em um site de apostas PaddyPower. “Eu seria um tolo se ignorasse o Brasil. Anfitriões ganharam mais de 30% das Copas do Mundo. Há benefícios ambientais e psicológicos significantes ao estar próximo de casa”.

As cartas, e não a matemática, deram ao tarólogo Evandro Matheus, a certeza que o Brasil vai ganhar. “Nem é preciso tirar cartas para saber disso. Tá tudo armado, tudo combinado em um jogo capitalista que traz prejuízo para muitos e muito lucro para poucos. Utilizei o tarô como oráculo, mas dentro de mim eu já via e sentia isso, a Copa do Mundo não passa de uma forma de manipular as massas para fins financeiros. A carta que confirma isso é a do diabo (15), trapaça, safadeza, ambição, intrigas, mal-entendidos, complô. O resultado foi combinado previamente, e o arcano revela toda essa situação em que o povo está atado, amarrado. Voltamos aos tempos romanos, onde os imperadores oferecem pão e circo ao povo (Bolsa Família e Copa do Mundo)”, analisa.

Evandro pondera que “se não tivesse a Copa, a saúde e a educação estariam ruins do mesmo jeito e não teríamos tantas manifestações. Pelo menos com o Mundial temos muitas manifestações que tendem a levar o Brasil a uma verdadeira guerra civil ou algo do gênero”.

Já a taróloga Bete Torii interpreta o evento mundial de forma mais jocosa. “Depois de um período (de recreio?) entre ‘deus e o diabo’, ‘matamos no peito’ e fazemos a colheita, ou despimos a fantasia, arregaçamos as mangas e vamos trabalhar em coisa séria, enquanto o mundo vai pra casa encantado conosco, mesmo sem conseguir ter uma ideia muito definida sobre nós”.

O que exatamente isso quer dizer? Bete que escreve para o site clubedotaro.com.br diz que a carta que mostra como será o comportamento do Brasil em campo é o papa. “Nossa seleção jogará de acordo com as regras, com estratégia e tática definidas pelo técnico. Mostrará ser bom de bola, o papa ou professor na matéria – e também uma equipe entrosada e com vocação para a coisa. Talvez falte paixão, alguma desobediência e brilhantismo”.

Mas qual seleção vai levar a taça? A carta do tarô é a morte. “Tenho a impressão de que não vamos levantar a taça porque é muito difícil tentar encaixar o retrato de um imenso país louco por futebol, se vitorioso, nessa carta tão séria. Portanto, acho que será o fim das ilusões, a morte do sonho de ganhar em casa. Por outro lado, parece-me que vamos lidar com isso de forma nada dramática e chorosa, e sim ativa: mãos na massa imediatamente para colher e limpar o que tenha restado. Vamos mudar de assunto, buscar novos espaços, transformar a situação. E não posso deixar de notar que o número da carta é 13, o mesmo número da candidata até agora favorita para as eleições de outubro. Será que, depois da Copa, ‘é 13’”?, especula Bete.

Segundo ela, o mundo ficará encantado com o Brasil. Quem sinaliza com isso é a carta dos enamorados. “Aqui para nós as coisas poderão parecer pouco formosas e risonhas, mas o mundo ficará enamorado de nós. O país desperta afetos, gera interesse, aspirações, ligações. E, provavelmente, aos olhos do mundo, passará na “prova de maioridade”. Ainda que possam permanecer (ou surgir) algumas dúvidas de julgamento, fica um clima de bom sentimento e aproximação. Talvez na imagem sejamos sim o hexacampeão (a carta é 6)”.

Mas se o Brasil não leva a taça, quem levará então? “Eu não resisti e depois de toda a análise puxei uma quinta carta. Saiu a Roda da Fortuna. Confesso que fiquei na mesma. Acho que os deuses ainda não se decidiram”, arremata Bete.

Alexandre Cigano jogou os búzios e está convicto de que o Brasil, no primeiro jogo contra a Croácia, terá algumas dificuldades, mas com a ajuda de Iansã e Ogum ganhará. “Até as quartas de finais enxergo o Brasil evoluindo, tendo muita batalha e otimismo, no entanto vai ter que suar bastante a camisa. Exu, a entidade que abre os jogos de búzios, revela que essa Copa será marcada de sangue, pois a vibração dele é muito importante. Já a nossa seleção, que está se desempenhando para fazer uma Copa diferenciada, não terá muita proteção. Quem poderá chegar ao pico e ganhar será a Espanha ou a Argentina”, revela.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave