Primeiro, sistema será informatizado

iG Minas Gerais | Luciene Câmara |

Diante dos relatos dos conselheiros tutelares e da Justiça sobre a falta de estrutura na rede municipal, a Prefeitura de Belo Horizonte informou que o primeiro passo a ser tomado em relação aos conselhos será aprimorar o sistema de registro de atendimentos. Até hoje, as entidades não têm o Sistema de Informação para a Infância e a Adolescência (Sipia), adotado pelo governo federal. “Precisamos de um registro oficial até para identificar em quais locais a gente necessita da ampliação da estrutura física”, argumenta Denise Magalhães, coordenadora de projetos especiais da Secretaria Municipal de Políticas Sociais.

Ela diz que a demora para implantar a tecnologia ocorreu porque nem todos os computadores dos conselhos tinham capacidade para receber o software. “Já equalizamos isso. Agora, estamos ajustando a rede e vamos capacitar os conselheiros”.

Já a Secretaria Municipal de Educação informou que, até 2016, a meta é passar de 83 para 153 Unidades Municipais de Educação Infantil (Umeis). Sobre a falta de vagas em instituições de acolhimento, a Secretaria Municipal de Assistência Social informou que, atualmente, existem 43 abrigos conveniados, com 643 vagas. Em breve, um chamamento público será realizado para conveniar três novos locais, o que possibilitará a abertura de 45 vagas. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave