Obesidade e poluição aumentam os casos de apneia infantil

Irritabilidade e sonolência durante o dia podem indicar noite maldormida

iG Minas Gerais | Litza Mattos |

Uma em cada dez crianças ronca regularmente, sendo que até 4% delas têm apneia
arquivo stockxpert
Uma em cada dez crianças ronca regularmente, sendo que até 4% delas têm apneia

O aumento da obesidade e a influência de fatores externos, como a poluição, são algumas causas que têm contribuído para o crescimento da Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (Saos) em crianças. O ronco, principal indicador da condição, é mais frequentes em adultos após os 40 anos, mas o neurologista infantil Cristovão de Castro Xavier afirma que prestar atenção na respiração dos filhos durante a noite pode ajudar a descobrir problemas que vão além das dificuldades respiratórias.  

“A obesidade cada vez mais acentuada e fatores ambientais, como a poluição, podem levar à irritação das vias respiratórias e a quadros infecciosos. Em geral, o motivo mais comum é o crescimento exagerado das amígdalas e da adenoide, que prejudicam a oxigenação do organismo como um todo durante o sono”, explica Xavier, membro da Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil (SBNI).

O alerta feito pelo médico também foi destacado em um estudo da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos. A pesquisa mostrou que a origem de problemas comportamentais e de aprendizagem, como hiperatividade e agressividade, pode estar em um sono fragmentado.

Essas alterações, de acordo com a pesquisa, são até cinco vezes mais comuns nas crianças que sofrem de Saos, podendo chegar a até seis vezes quando o distúrbio é persistente. E uma em cada dez crianças ronca regularmente, sendo que de 2% a 4% delas têm apneia.

Apesar de o estudo apontar que os casos de crianças com apneia são mais frequentes entre 2 e 6 anos, para o médico, a incidência dependerá também dos fatores externos. Segundo Xavier, um dos primeiros sintomas é o ronco. “Os pais devem ficar atentos se a criança tem ficado irritada e sonolenta durante o dia. Somente com o diagnóstico exato, feito por um exame que monitora o sono (polissonografia), o melhor tratamento poderá ser indicado”, afirma.

Tratamento. Para voltar a ter um sono tranquilo e reparador, na maioria das vezes, o tratamento é cirúrgico e feito por um otorrinolaringologista, com a retirada das amígdalas e da adenoide. E, se a criança está obesa, a dieta é o mais recomendado, conforme aponta o médico.

Os dois filhos da advogada Diva Pimenta, 25, fizeram a cirurgia. “Antes, o sono do Davi, 5, e do Arthur, 4, era muito difícil. Eles transpiravam muito à noite e roncavam tão alto que eu escutava do meu quarto. A primeira noite em casa após a cirurgia já foi maravilhosa”, conta a mãe, que também teve o problema na adolescência.

Flash

Estudo. Cinquenta por cento das crianças cujos sintomas de apneia aparecem cedo – por volta de 6 a 18 meses – são mais propensas a ter problemas comportamentais aos 7 anos, se comparadas às crianças com respiração normal, apontou a pesquisa realizada nos EUA.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave