Após greve e ameaça, Camarões aceita viajar ao Brasil

Inicialmente, a chegada da equipe estava marcada para o início da tarde deste domingo, no Rio de Janeiro

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Depois de realizarem uma greve em treinamentos e ameaçarem não viajar ao Brasil em virtude de não concordarem com a premiação prometida pela federação local, os jogadores de Camarões aceitaram disputar a Copa do Mundo. A assessoria de imprensa da Fifa informou, neste domingo (8), que a seleção africana, adversária do Brasil na primeira fase do Mundial, desembarcará no país na segunda. A chegada da equipe estava marcada para o início da tarde deste domingo, no Rio de Janeiro. No entanto, os atletas se recusaram a embarcar sem um acordo e adiaram o voo, inicialmente previsto para as 9h em Douala (5h de Brasília). Segundo o site "CamFoot", a conciliação veio depois que a federação camaronesa, com ajuda do governo, aceitou pagar o equivalente a R$ 230 mil a cada jogador pela participação no Mundial. Além disso, os jogadores fatiarão mais R$ 940 milhões, relativos a 6% da cota paga pela Fifa a Camarões por estar na Copa. Liderado pelo atacante Samuel Eto'o, do Chelsea, o elenco camaronês reclamava dos valores da premiação desde que se apresentaram ao técnico Volker Finke, no mês passado, e chegaram a organizar uma greve de treinamentos. Em 2011, a seleção de Camarões entrou em greve também por conta do valor de premiações e chegou a cancelar amistoso contra a Argélia. Camarões está no Grupo A da Copa, ao lado de Brasil, Croácia e México. O primeiro jogo será na próxima sexta (13), contra os mexicanos, em Natal. Cinco dias depois, a equipe pega a Croácia em Manaus. Na última rodada, o adversário será a seleção brasileira, em Brasília, no dia 23.

Leia tudo sobre: camaroesameaçagrevecopa do mundoCamarões