“O sexo é supervalorizado em certos aspectos”

Brian Steinhoff Artista plástico autor da série “Pornô para toda a família”

iG Minas Gerais | Raquel Sodré |

Você acredita que o sexo é supervalorizado em nossa sociedade?

Não me sentiria confortável em fazer uma afirmação categórica sobre a moral de toda a sociedade. No entanto, posso dizer confiantemente que o sexo é, certamente, supervalorizado em certos aspectos de toda sociedade. Por outro lado, é totalmente chato e ultrapassado em outras facetas. O que esse trabalho explora não é o ato do sexo, mas sua iconologia.

Você acredita que o sexo esteja muito condicionado ao pornô atualmente?

Sendo um norte-americano de uma certa idade, sempre me pego pensando se isso é verdade. É difícil para mim ou, presumo, para qualquer um que tenha amadurecido na era pré-internet, entender como o pornô tenha afetado a vida sexual daqueles com tanto acesso em uma idade tão jovem. Sem provas fortes que indiquem o contrário, será possível especular a diferença entre o que nós considerávamos um comportamento sexual “normal” em uma idade específica do que pode ou não ser um subproduto de um mundo com tanta abundância de conhecimento livre?

Você acredita que as mulheres, em particular, sofrem com a visão passada nos filmes pornográficos?

Acho que algumas mulheres, sim. Da mesma forma que acredito que outras são julgadas por participarem de filmes pornô. Devido à nossa consciência global crescente, a sociedade pode não só ficar sentada e julgar de longe, mas também pode aprender sobre as opiniões contrárias de uma igual distância. O pornô é simplesmente um reflexo fragmentado de uma sociedade em um espelho quebrado. Todos sofrem e todos se beneficiam. É como compreendemos essas coisas que verdadeiramente nos empodera.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave