Metroviários de São Paulo decidem manter greve pelo menos até domingo

Categoria está paralisada desde quinta-feira (5) e não pretende passar de domingo (8), temendo demissões

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Estação Corinthians-Itaquera da CPTM, na zona leste de São Paulo, ficou fechada para embarque e desembarque. Foto de Werther Santana/Estadão Conteúdo
ESTADÃO CONTEÚDO
A Estação Corinthians-Itaquera da CPTM, na zona leste de São Paulo, ficou fechada para embarque e desembarque. Foto de Werther Santana/Estadão Conteúdo

Os metroviários de São Paulo decidiram pela continuação da greve da categoria pelo menos até a tarde deste domingo (8), durante assembleia realizada na noite deste sábado (7). Uma nova reunião dos trabalhadores deve acontecer às 14h de domingo, após o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) julgar a paralisação. 

A greve teve início na quinta-feira (5), e chegou a causar nos dois primeiros dias de paralisação. Segundo as informações do Sindicato dos Metroviários, o governo chegou a propor 8,8% de aumento, mas acabou desistindo da oferta, mantendo os 8,7% de reajuste na sexta-feira (6). A categoria pede aumento de 12,2%. O Metrô continuará operando com o plano de contingência no domingo.

Os metroviários ainda devem encaminhar uma carta para a Fifa e, também, para a presidenta Dilma Rousseff, pedindo auxílio para que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) abra a negociação com a categoria.  Os representantes do sindicato não pretendem estender a greve até segunda-feira temendo demissões. 

Inicialmente, os metroviários pediam 35,47% de reajuste, reduzindo para os 16,5% e, por fim, 12,2%.  Os trabalhadores também querem participação igualitária nos lucros e resultados, adicional de periculosidade para parte dos funcionários e catraca livre para eles. 

Leia tudo sobre: METROVIÁRIOSSÃO PAULOMETRÔGREVEPARALISAÇÃOASSEMBLEIANEGOCIAÇÃOALCKMIN