A vida privada sob influência de episódios da história

Escravidão e ditadura militar são pano de fundo para primeiro romance da jornalista Míriam Leitão

iG Minas Gerais | Deborah Couto |

Jornalista e romancista. Míriam Leitão lança seu primeiro livro de ficção para adultos
tomas
Jornalista e romancista. Míriam Leitão lança seu primeiro livro de ficção para adultos

Dois dos capítulos mais negros de nossa história – o período escravocrata e a ditadura militar (iniciada em 1964) – são pano de fundo para o primeiro romance da jornalista e escritora Miriam Leitão, “Tempos Extremos”. O lançamento acontece hoje, às 15h, na livraria Leitura do BH Shopping.

As histórias giram em torno de heroínas dos dois tempos, Larissa e Paulina, que pela mágica da literatura se encontram no mesmo local, a fazenda Soledade de Sinhá, em Minas Gerais. Apesar das épocas marcantes serem retratadas em detalhes precisamente fundamentados – (Miriam tem experiência. Recebeu prêmios pela reportagem “Arqueologia da Escravidão”, sobre as descobertas do Valongo e do cemitério dos pretos novos localizados na Zona Portuária carioca; e por outra intitulada “Caso Rubens Paiva: uma História Inacabada”, entre outras matérias e anos de pesquisa) –, “Tempos Extremos” é um romance em que as trajetórias dos personagens importam mais. “Quis retratar o quanto as questões públicas interferem na vida privada das pessoas. E como elas lidam com isso”, diz Míriam.

Larissa, a heroína do passado recente, é parte de uma família em que há uma ruptura. Dois irmãos que têm opiniões fortemente divergentes em relação à ditadura: um militar e uma militante de esquerda. Já nos tempos de escravidão a estratégia de luta cria a divergência: enfrentar ou não o sistema? “Essa é uma das questões filosóficas fundamentais dessas histórias. Há escravos que conseguiram sua liberdade lutando em quilombos, e têm muito mérito. Outros a atingiram através da compra da alforria ou entrando na Justiça. São duas formas de lutar contra a opressão. Já no período da ditadura, posso citar Herzog como exemplo de alguém que nunca quis se envolver com a luta armada e, mesmo assim, foi morto”, diz Míriam. “Essa é uma questão colocada no livro e à qual eu ainda não sei responder”, afirma.

Mesmo com 40 anos de carreira, Míriam conta que o romance foi um grande desafio em sua vida. “Cada livro é um perigo. Você tem que se jogar inteira”, diz. “No começo me assustei um pouco e, de repente, tive de dar um salto sem para-quedas. Os livros foram meu brinquedo preferido na infância e na adolescência e é essa a bagagem que carrego para escrever”, afirma.A aventura do romance.

Agenda

O que. Lançamento de “Tempos Extremos”, de Míriam Leitão

Quando. Hoje, às 15h

Onde. Leitura do BH Shopping

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave