A contragosto de Marina, PSB aprova apoio a Alckmin em SP

iG Minas Gerais |

SÃO PAULO. O diretório do PSB em São Paulo aprovou por unanimidade em reunião ontem a aliança do partido para a reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e quer indicar a vice na chapa tucana.

Dirigentes da sigla defenderam que o deputado federal Márcio França (PSB-SP) seja o candidato a vice-governador na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes, apesar da resolução não ser definitiva quanto ao cargo que o partido ocupará ao lado de Alckmin. “Se o PSB for vice, Alckmin vai ficar constrangido em negar apoio ao nosso candidato à Presidência, Eduardo Campos, no maior colégio eleitoral do país. Alckmin vai saber medir as palavras para falar dos dois candidatos”, disse o prefeito de São José do Rio Preto, Valdomiro Lopes, em referência ao presidenciável do PSB e ao senador Aécio Neves, pré-candidato do PSDB à Presidência.

Com o PSB na conta, Alckmin tem a opção de aceitar uma indicação para vice ou para o Senado. Acontece que o PSD de Gilberto Kassab está com as negociações bastante avançadas para ocupar a vaga de vice do tucano. A decisão do PSB é contrária à opinião da ex-senadora Marina Silva, vice na chapa de Campos, e que, desde o ano passado, defende a candidatura própria.

Porta-voz nacional da Rede Sustentabilidade, grupo político de Marina, e um dos principais aliados da ex-senadora, o ex-deputado Walter Feldman manteve a defesa de candidatura própria e disse que quando Marina se filiou ao PSB pediu atenção para discutir dois casos: São Paulo e Alagoas.

Segundo Feldman, a chapa com Alckmin contradiz o discurso do PSB, que prega a “nova política” em detrimento das alianças com os “velhos caciques’, defendido por Campos e Marina. Campos avisou a companheira de chapa que não irá intervir no PSB paulista para impedir a aliança com Alckmin.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave