8 perguntas para Fabíola Regadas

Considerada a maior loteadora de Minas Gerais e uma das sete maiores do Brasil, a Gran Viver Urbanismo, que acaba de lançar projeto com traços italianos, planeja faturamento de R$ 250 milhões com projetos no Estado, este ano

iG Minas Gerais | Márcia Xavier |

Fabíola diz que empresa priza por segurança, boa localização e preservação
Pedro Vilela/AGENCIA I7
Fabíola diz que empresa priza por segurança, boa localização e preservação
Integrante do Grupo Seculus e com 39 anos de tradição, a Gran Viver Urbanismo visa gerar qualidade de vida aos clientes, investindo em projetos com arquitetura privilegiada, áreas verdes e com garantia de bem-estar.   Inspirada na sofisticação da Itália, a empresa lançou, em maio, o Gran Park Toscana, novo residencial de Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte.   Em entrevista ao Pampulha, Fabíola Regadas, diretora Comercial e de Marketing da Gran Viver Urbanismo, falou sobre a empresa, as metas e sobre o novo projeto.   Comente sobre o Gran Park Toscana, em Vespasiano, que tem previsão de entrega para maio de 2016. Inspirado na Toscana, uma das mais belas regiões da Europa, o Gran Park Toscana traz a exuberância e a sofisticação italiana em cada detalhe, desde os acabamentos das áreas comuns, passando pelos jardins, espaços gourmet, portaria e clube.    Para esse lançamento foram investidos R$ 45 milhões. Ao todo, o condomínio conta com 442 lotes. A área total do empreendimento é de 286 mil m². Entre as várias qualidades do empreendimento podemos citar a questão da acessibilidade, pois é o único empreendimento com acesso exclusivo pela MG-010.   Outro ponto de grande destaque fica para o conceito paisagístico e para a implantação das área de lazer. Essas foram projetadas buscando referências marcantes na arquitetura dessa belíssima região europeia, utilizando de materiais como pedra, textura, cor terracota.    A arquitetura dos ambientes foi concebida prevendo a integração das áreas internas com os grandes jardins. O gourmet, ambiente forte no cotidiano italiano, aqui também poderá usufruir de vista privilegiada para pátio de jardins floridos e para área verde preservada que soma 87 mil m². Tudo isso foi pensado para proporcionar a interação entre família e amigos. Os jardins serão formados em função de pérgulas sombreadas que criam espaços de convívio ao ar livre, bem aconchegantes.   Como surgiu a ideia de trazer traços italianos para o projeto? A ideia surgiu de uma necessidade do mercado, pois o nosso público estava solicitando produtos com conceitos exclusivos e que proporcionassem uma diferenciação de outros empreendimentos do mercado. Daí chegamos, por meio de uma pesquisa, ao estilo da Toscana, que desde sempre trabalhava com as chamadas “cidades muradas”, nada diferente dos nossos residenciais fechados, sendo esse um fator atual e relevante para população.   Além disso, esse terreno possuía características diferentes, sendo uma área proveniente de exploração de eucalipto, bastante antropizada e exótica. Tudo isso contribuiu para propormos uma ocupação distinta, e encontramos na Toscana alguns elementos paisagísticos, arquitetônicos e urbanísticos, que entendemos fazer link com essa proposta e harmonizar bem com o local.   O que não falta nos lançamentos da Gran Viver Urbanismo? Podemos dizer que a Gran Viver tem quatro premissas na hora de adquirir um terreno. A primeira é contar com área preservada, pois nos preocupamos em manter as características locais, além, é claro, de preservar o meio ambiente. Os outros pontos são a segurança do empreendimento, boa localização e facilidade no acesso aos núcleos de serviços das cidades.   A empresa desenvolve projetos com destaque para a preservação ambiental. Qual a importância de empreendimentos desse perfil para o mercado imobiliário mineiro? Minas Gerais é conhecida pela natureza exuberante e por suas montanhas, esse é o maior orgulho do mineiro. Portanto, sempre nos preocupamos em não descaracterizar a beleza natural do local. Vemos isso como uma ação de respeito ao meio ambiente e a nosso cliente.   Quais regiões de Minas devem crescer no âmbito de novos negócios? Minas Gerais é um Estado em franco desenvolvimento. Em nossas pesquisas de mercado e por toda a experiência da Gran Viver, podemos citar o Triângulo Mineiro, o Vale do Aço e o Sul de Minas como as principais regiões que irão se desenvolver nos próximos anos.   Quais as metas da empresa para 2014? Para 2014, a Gran Viver está investindo em oito novos lançamentos e nossa previsão é alcançar um faturamento de R$ 250 milhões. O primeiro lançamento foi em março, na cidade de Ipatinga. Já os outros empreendimentos estão localizados nas cidades de Prudente de Morais, Divinópolis, Nova Serrana e Betim, e serão lançados no segundo semestre deste ano.   A Gran Viver Urbanismo tem 39 anos de tradição. O que tem sido feito para ampliar a área de atuação? Criamos um novo setor chamado de Prospectar. Nele, os funcionários têm a missão de encontrar novos negócios no Brasil inteiro.    Outro projeto, que foi implementado em 2012, diz respeito a ações que pretendem agregar o valor de branding (ação que visa atrair consumidores para a marca). Com esse trabalho queremos gerar uma confiança no cliente. Esperamos que, ao entrarmos em alguma nova cidade, as pessoas entendam que somos parceiros, que pretendemos contribuir para o crescimento sem desrespeitar o dinâmica da cidade. Acreditamos que essas iniciativas têm gerado um sentimento positivo no mercado, fazendo com que a Gran Viver possa ampliar seus resultados.   A empresa trabalha com estoque de terrenos. Quais os desafios dessa prática, já que há escassez no mercado?  A Gran Viver conta com um planejamento de longo prazo, por isso, trabalhamos com um estoque de terrenos (land bank) que ainda serão incorporados. Nossa ideia é não ficar sem estoque de empreendimentos. Já que nossa velocidade de vendas é alta e a demanda por lotes só tem crescido, graças à segurança do investimento e do baixo custo.

Leia tudo sobre: Gran ViverFabíola Regadasentrevistamercadoimóveis