Fifa corre para fazer testes de doping durante a Copa

Logística para realização do exame e resultado, que será dado na Suíça, é principal motivo de preocupação

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Laboratório da Suíça, de 'confiança' da Fifa, terá que ter agilidade para analisar todos os testes
Fifa/Divulgação
Laboratório da Suíça, de 'confiança' da Fifa, terá que ter agilidade para analisar todos os testes

A Fifa terá que correr para conseguir realizar os exames antidoping durante a Copa do Mundo no Brasil. Com a perda do credenciamento do Ladetec, laboratório carioca que havia sido selecionado para cumprir essa tarefa, a entidade mandará as amostras dos atletas para a Suíça durante a competição. A distância entre os países e a necessidade de realizar a análise rapidamente preocupam.

A entidade e o laboratório suíço precisam dar o resultado do exame de um jogador antes que o mesmo volte a campo por sua seleção no Mundial. Além disso, segundo o guia da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), uma amostra precisa ser analisada em menos de 36 horas para que esteja em condições ideais.

Mesmo admitindo o tempo escasso para que tudo corra como previsto, a Fifa garantiu que conseguirá fazer as amostras chegarem à Suíça neste prazo. De acordo com o diretor médico da Fifa, Jiri Dvorak, as primeiras 750 amostras chegaram em Lausanne "de diversos países da América Latina em menos de 33 horas".

"Todas as amostras chegaram em condições satisfatórias graças ao uso de caixas para resfriamento automático especiais, que controlam a temperatura durante todo o transporte", explicou, em entrevista ao site da principal entidade do futebol mundial.

Após cada partida do Mundial, dois jogadores de cada seleção terão que passar pelo exame antidoping e a expectativa é que o resultado saia antes que qualquer um deles possa atuar novamente "Nós vamos fazer todo o esforço para prover à Fifa os resultados antes da próxima partida", garantiu Martial Saugy, diretor do laboratório suíço.

Dezenas de jogadores já começaram a ter seu sangue e urina colhidos de forma inesperada antes mesmo da Copa. Pela primeira vez na história, todos os atletas serão testados antes de a bola rolar. Mas diante do fracasso do Brasil em ter um laboratório capaz de fazer os exames, o transporte de centenas de amostras até a Suíça vai exigir operação especial e custos extras.

O objetivo da Fifa era o de realizar os testes de doping antes e durante o Mundial no Rio. Mas o Ladetec perdeu seu credenciamento na Wada depois de erros grosseiros com testes de diversos atletas. Sem poder contar com o trabalho no Rio, a Fifa teve de apelar ao Laboratório Suíço de Análise de Doping (LAD) para assumir a tarefa.

Leia tudo sobre: fifawadatestesantidoping suíçalausannecopa do mundo