Última prova terá avaliação rígida das arquibancadas

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

Bom teste. Neymar e Felipão vão encarar a Sérvia e o exigente público paulista no amistoso desta tarde no Morumbi
douglas magno
Bom teste. Neymar e Felipão vão encarar a Sérvia e o exigente público paulista no amistoso desta tarde no Morumbi

A seleção brasileira entra em campo hoje para seu último teste antes da tão aguardada estreia na Copa do Mundo, no dia 12, contra a Croácia. O amistoso contra a Sérvia, no Morumbi, será um desafio dentro e fora de campo. Além de encarar uma equipe de boa qualidade técnica – que fazia parte da antiga Iugoslávia, tal como o time croata –, o Brasil terá a missão de ganhar o apoio da exigente torcida paulista, conhecida por seu lado crítico em relação à seleção.Teresópolis (RJ).  

Apesar de possuir residência em São Paulo e conservar um histórico bastante íntimo com o futebol local, esta será a primeira vez em que Luiz Felipe Scolari irá comandar a seleção brasileira em solo paulista. Conhecedor do histórico um tanto quanto hostil, o treinador espera que sua equipe desempenhe um bom futebol para ganhar de uma vez por todas a confiança do torcedor paulista, já que a capital também abrigará a estreia no Mundial, no Itaquerão.

“Eu penso que, da minha parte, a recepção do torcedor será bem mais flexível, e isso poderá ajudar em uma situação de desconforto para minha equipe. Sei que tenho um bom ambiente com todas as equipes de São Paulo, mesmo tendo treinado apenas o Palmeiras. Acho que chegou a hora de mudarmos essa hipotética ideia de que São Paulo tem essa história contra a nossa seleção”, destacou Felipão.

Apesar disso, o comandante da seleção brasileira revelou que a determinação de atuar em São Paulo foi uma espécie de ordem de José Maria Marin, presidente da CBF. Se a escolha passasse pelas mãos de Felipão, o local do último amistoso antes da estreia na Copa poderia ser outro.

“Esse é o momento de conversar com o pessoal de São Paulo. Vamos jogar duas vezes. É uma coisa maravilhosa para a cidade. Muita gente já está lá para a Copa. São Paulo também foi beneficiada, e agora é a hora de nós recebermos o carinho da população paulista. Depois do jogo, vou ter o sábado livre, é legal voltar para casa. Minha casa é São Paulo, e lá será a casa da seleção a partir de agora”, reforçou o treinador.

Lembranças. Em setembro de 2012, a seleção brasileira atuou pela última vez no Morumbi. Sob vaias e aos gritos de “Adeus, Mano”, a equipe venceu a África do Sul com um gol de Hulk. Na ocasião, Neymar chegou a ser chamado de pipoqueiro por parte da torcida. Três meses depois, Mano Menezes acabou perdendo o cargo de treinador da seleção. Historicamente, o torcedor paulista sempre foi exigente em relação ao selecionado canarinho. Alguns desses casos envolviam disputas políticas relacionadas à rivalidade com os cariocas.

Novo papai Felipão já tem a equipe titular na cabeça e só chegou a ter uma pequena dúvida no meio-campo. Oscar foi liberado para acompanhar o nascimento da primeira filha e deu lugar a Willian no treino. O reserva foi muito bem, mas só teria a titularidade se o dono da vaga não se reapresentasse bem, o que não aconteceu. Oscar se juntou à delegação ontem para o jantar, em São Paulo, feliz da vida pela chegada da pequena Júlia.

Troca com o ídolo Kauan Ribeiro, 10, trocou de camisa com Neymar, ontem, após o treino. O garoto ganhou o uniforme de treino do craque, que, em contrapartida, recebeu a camiseta do projeto social do Unicef que o pequeno vestia. “Sou fã dele. Foi muita emoção”, contou o menino. Além dele, o amigo João Vítor Mendes, 13, também foi sortudo e ganhou uma bola Brazuca do lateral-direito Daniel Alves.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave