Carne e osso para animações

Sucesso de “Malévola” estimula Disney a refilmar desenhos com atores de verdade

iG Minas Gerais |

Oscar. “A Bela e a Fera” foi dos poucos desenhos a receber indicação para o Oscar
Buena Vista / Divulgação
Oscar. “A Bela e a Fera” foi dos poucos desenhos a receber indicação para o Oscar

Com o bom desempenho de “Malévola” nas bilheterias, a Disney pretende fazer adaptações, com atores reais, de outras três animações de seu catálogo: “A Bela e A Fera” (1991), “Mogli” (1967) e “Cinderela” (1950). Segundo a revista “Variety”, a adaptação de “A Bela e a Fera” será dirigida por Bill Condon (“Dreamgirls: Em Busca de um Sonho” e os dois primeiros “Crepúsculo”), com roteiro de Evan Spiliotopoulos (“O Rei Leão 3: Hakuna Matata”). O elenco não foi definido.

O clássico da animação de 1991 faturou cerca de US$ 375 milhões (R$ 852,94 milhões) nas bilheterias mundiais na época em que foi lançado, ganhando uma adaptação na Broadway e entrando para a lista dos poucos desenhos animados que receberam uma indicação ao Oscar de melhor filme. “Mogli”, por sua vez, terá direção de Jon Favreau (“Homem de Ferro”), e “Cinderela” ficará nas mãos de Kenneth Branagh (“Thor”). Ambos os diretores – que são também atores e produtores – trabalharam juntos em “Homem de Ferro 2”.

Embora não tenha sido bem recebida pela crítica, “Malévola” – adaptação de “A Bela Adormecida” estrelada por Angelina Jolie – faturou US$ 70 milhões (cerca de R$ 154 milhões) no primeiro fim de semana de exibições nos cinemas norte-americanos e canadenses, indo para o topo das bilheterias. No Brasil, o filme repetiu o sucesso e acumulou R$ 12,4 milhões até o último domingo. “Malévola” apenas confirmou o sucesso das adaptações da Disney, que já tinha tido uma boa amostra com “Alice no País das Maravilhas”, que ganhará uma continuação, e “O Mágico de Oz”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave