Nova voz das letras de Portugal

Escritor José Luís Peixoto fala hoje e amanhã em Belo Horizonte sobre a literatura lusitana e brasileira na atualidade

iG Minas Gerais | Júlio Assis |

Autor. José Luís Peixoto tem obras em romance, poesia, teatro, infantil e no gênero livro de viagem
Gonçalo Lobo Pinheiro divulgaca
Autor. José Luís Peixoto tem obras em romance, poesia, teatro, infantil e no gênero livro de viagem

A Festa Portuguesa em Belo Horizonte, marcada para este sábado, 7, durante todo o dia na praça Marília de Dirceu, em Lourdes, vai celebrar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. A programação inclui um sarau literário em que será discutido o momento atual da literatura lusitana e brasileira. O evento, às 11h15, terá como convidado o escritor José Luís Peixoto, da nova geração da literatura lusitana.

Agraciado em 2001 com o Prêmio Literário José Saramago pelo romance “Nenhum Olhar”, que foi incluído na lista do “Financial Times” dos melhores livros publicados na Inglaterra no ano de 2007, José Luís Peixoto já tem algumas de suas obras publicadas no Brasil e vem participando de festivais literários brasileiros, inclusive em Ouro Preto.

Para o autor, o tema proposto para o sarau é fecundo: “No tempo em que vivemos, têm surgido novos autores na literatura portuguesa e brasileira que, de algum modo, trazem novas perspectivas sobre a tradição literária dos nossos países. No fundo, apresentam novas soluções para questões há muito levantadas. Essa geração que começou a publicar a partir de 2000 tem características muito específicas que, parece-me, têm mesmo sido bem compreendidas pelo público leitor que, em Portugal, segue com bastante interesse o caminho dessas novas vozes. Será sobre isso que irei falar, ilustrando as ideias apresentadas com exemplos da minha própria obra que, claro, é a que conheço em mais profundidade”, antecipou a O TEMPO em entrevista por e-mail.

Quatro romances do autor estão publicados no Brasil: “Nenhum Olhar”; pela editora Agir/Ediouro; “Cemitério de Pianos” e “Uma Casa na Escuridão”, ambos pela editora Record; e “Livro” pela Companhia das Letras. Segundo ele, o próximo a sair por aqui é “Dentro do Segredo”, que será lançado pela Companhia das Letras em agosto próximo. Trata-se de um livro sobre a viagem que ele fez à Coreia do Norte. “Essa obra partiu da minha vontade de lançar desafios a mim próprio”, conta.

Ideias. Os desafios estão embutidos na forma como José Luís Peixoto encara a literatura. “Aquilo que me leva à escrita é a mesma força que me leva à vida. Há algo de misterioso na razão pela qual todos os dias nos levantamos e nos sujeitamos a tantas dificuldades. E, no entanto, continuamos sempre. Por que vivemos? A resposta que dou a esta pergunta é a mesma que me leva à escrita”, define.

E ainda sobre os fundamentos de sua obra, ele aponta: “A minha escrita procura refletir sobre o ser humano: a identidade, as emoções, os sentidos, o estarmos aqui, agora, chegando de algum lado, em direção ao futuro. A literatura oferece reflexão. Existe numa dimensão do tempo, onde podemos respirar, onde não há pressa. A literatura faz muita falta neste tempo”, defende.

Antes da Festa Portuguesa amanhã, José Luís Peixoto realiza hoje, às 10h, a palestra Panorama da Literatura Portuguesa Contemporânea, no auditório 2001 da Faculdade de Letras (Fale) da UFMG, no campus Pampulha. O evento é aberto ao público.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave