Oferta de boi pressiona preços em maio

Situação fez com que os frigoríficos permanecessem em uma posição confortável, com escalas de abate posicionadas entre quatro e cinco dias úteis

iG Minas Gerais | Da redação |

A grande oferta de boi gordo no mercado da região Centro-Sul do Brasil fez que os preços caírem
Divulgação
A grande oferta de boi gordo no mercado da região Centro-Sul do Brasil fez que os preços caírem
A oferta de boi gordo permaneceu em bom nível na região Centro-Sul do Brasil durante todo o último mês de maio. Essa situação fez com que os frigoríficos permanecessem em uma posição confortável, com escalas de abate posicionadas entre quatro e cinco dias úteis. Devido a esse conforto e também pela reposição lenta entre atacado e varejo, houve margem para redução do preço de balcão.    Os pecuaristas ainda relutam em negociar nos níveis vigentes, e apostam no próximo período de virada de mês como catalisador de mudanças de perfil no mercado físico. A expectativa de temperaturas mais baixas durante o mês de junho pode ser um fator baixista, ressaltando que a qualidade das pastagens pode cair sensivelmente, prejudicando o potencial de retenção, forçando os pecuaristas a negociarem mesmo a preços mais baixos.    Portanto o acompanhamento dos modelos climáticos é essencial para traçar uma estratégia sensata durante o inverno. Por outro lado, há grande expectativa em torno do potencial de demanda ao longo da Copa do Mundo. Esse atípico repique de consumo pode alterar o nível de preços tanto no atacado quanto no varejo, o que acabaria afetando a formação de preços do boi gordo no mercado físico.     As exportações de carne bovina do Brasil renderam US$ 375,1 milhões até a quarta semana de maio (16 dias úteis), com média diária de US$ 23,4 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 78,8 mil toneladas, com média diária de 4,9 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.762,7.   Entre abril e maio, houve uma alta de 10,9% no valor médio exportado, um avanço de 7,6% na quantidade e uma alta de 3,1% no preço médio. Na relação entre maio de 2014 e o mesmo mês de 2013, houve avanço de 21,5% no valor total exportado, alta de 12,9% na quantidade total e valorização de 7,6% no preço médio.   A média mensal de preços em maio foi de R$ 123,32 em São Paulo.. Em Mato Grosso do Sul, o preço ficou a R$ 117,09. Em Minas Gerais, a arroba ficou em R$ 113,11.  Em Goiás, a arroba foi cotada em R$ 115,63. Em Mato Grosso, o preço ficou a R$ 112,68 a arroba.   No atacado, a média mensal de preços foi de R$ 6,17 nos cortes de dianteiro e de R$ 9,15 nos cortes de traseiro.