Bruno vai fazer DNA para tirar ‘peso das costas’, afirma defesa

Goleiro nunca cedeu material genético para a realização do exame, segundo o advogado; Eliza teria se recusado a fazer o teste logo que descobriu a gravidez

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Aos 27 anos, ex-jogador do Flamengo limpa presídio e recebe um benefício de R$ 408,75
ALEX DE JESUS - 28.6.2011
Aos 27 anos, ex-jogador do Flamengo limpa presídio e recebe um benefício de R$ 408,75

Passados quatro anos da morte de Eliza Samúdio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, a defesa do jogador decidiu recorrer à Justiça para tentar descobrir se o atleta é o pai de Bruninho. “Ele vai fazer o exame DNA e se ele for o pai, beleza, mas se não for vai tirar um peso das costas dele”, afirmou o advogado Francisco Simim. Até a próxima segunda-feira (9), a defesa de Bruno deve entrar com uma ação recisória na Vara da Família no Rio de Janeiro.

De acordo com o advogado, Bruno nunca cedeu material genético para a realização do exame, que é o único capaz de comprovar a paternidade. “Ele admitiu ser pai da criança em um interrogatório para a juíza de Contagem, mas ele não pode produzir prova contra si”, explicou Simim.

Ainda, segundo o defensor, consta nos autos do processo que quando Eliza revelou a Bruno que estava grávida, ele teria pedido a ela que fizesse o exame, mas a mulher teria se recusado.

Atualmente, Bruno não possui nenhum rendimento financeiro e por isso não paga pensão para a avó materna do menino, que possui a guarda da criança.

O processo civil sobre a paternidade não possui nenhuma ligação com o processo criminal, onde o ex-goleiro foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão, acusado de ser o mandante do assassinato de Eliza, cujo o corpo nunca foi encontrado.

Relembre o caso

Depois de um breve relacionamento com o ex-jogador do Flamengo, Bruno Fernandes, a modelo Eliza Samúdio engravidou. Depois do nascimento de Bruninho, o goleiro se negou a registrar a criança e o casal começou a se desentender.

Eliza foi levada até o sítio do atleta na região metropolitana de Belo Horizonte e morta. Bruno e outros dois comparsas foram condenados pelo crime no final de 2012. Atualmente ele está detido no Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem.

Leia tudo sobre: DNAexamepaternidadeBruninhoJustiçaaçãodefesapeso nas costas