Filho mata pai após achar que ele se relacionava com a sua namorada

Crime aconteceu em Juiz de Fora; vítima estava desaparecida há oito dias e suspeito chegou a ajudar nas buscas

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Após acreditar que o pai tinha mantinha relacionamento amoroso com a sua namorada,  um jovem de 22 anos matou e enterrou o próprio pai em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Weber do Carmo Viana Filho, 22, foi preso nessa quarta-feira (4) junto com sua namorada, Vivian Sabrino Barreto, de 26 anos, após confessar o crime. O pedreiro Weber do Carmo Viana, de 54 anos, estava desaparecido desde o último dia 28 de maio, data em que o assassinato teria ocorrido.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, as suspeitas sob o jovem aumentaram após os vizinhos informarem aos militares que o rapaz já estaria vendendo pertences da vítima, mesmo ela estando até então somente desaparecida.

Com as denúncias, militares voltaram à casa da família, localizada na rua Duque de Caxias, no bairro Poço Rico, e encontraram Filho e a namorada conversando na calçada. Eles voltaram a afirmar que não sabiam o paradeiro da vítima, mas, longe da namorada, Vivian contou que sabia que o corpo do sogro estava enterrado na casa, mas não tinha participado da morte.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada e, após escavar o quintal, conseguiu localizar o cadáver dentro de um saco plástico preto em avançado estágio de decomposição, enterrado de cabeça para baixo. Diante do corpo, o suspeito confessou o crime e afirmou que matou o pai porque ele estava mantendo um relacionamento amoroso com a sua namorada. Filho disse surpreendeu  Weber no momento em que ele estava sentado no sofá.

O criminoso deu um golpe conhecido como “mata-leão” no pai, que desmaiou. Após o desmaio, o rapaz ainda enforcou o pai até a morte com um fio de telefone. Depois do assassinato, o jovem teria contado com a ajuda da sua namorada para colocar o corpo do pai dentro do saco e enterrá-lo no quintal  da família.

Filho foi preso em flagrante por ocultação de cadáver. Vivian foi conduzida para prestar esclarecimentos. “Ainda não sabemos qual foi o real envolvimento dela no crime. Estamos investigando. Em relação ao filho, provavelmente, ele pode ser indiciado por homicídio e ocultação de cadáver”, disse o delegado responsável pelo caso,  Armando Aviólio Neto.

O suspeito foi encaminhado ao presídio da cidade e, caso seja condenado, pode pegar de 20 a 30 anos de prisão.

Buscas

Segundo a PM, desde o desaparecimento do pedreiro, foram feitas buscas por ele pela vizinhança. Familiares, inclusive o filho suspeito do homicídio, junto com amigos das vítimas chegaram a espalhar fotos de Weber pela região.    

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave