Do pub para a praça pública

Fernanda Takai participa de shows nesta semana um com o cantor Pedro Morais e outro com a Orquestra Outro Preto

iG Minas Gerais | Vinícius Lacerda |

Shows. Nas duas apresentações que faz nesta semana, cantora irá apresentar músicas de seu último álbum “Na Medida do Impossível”
bruno senna / divulgação
Shows. Nas duas apresentações que faz nesta semana, cantora irá apresentar músicas de seu último álbum “Na Medida do Impossível”

A semana da cantora Fernanda Takai está bem atribulada. Depois de passar dois dias gravando um clipe – que não teve detalhes revelados ainda –, ela participa de duas apresentações esta semana. A primeira acontece hoje no Cine Club Cult Pub (CCCP), onde divide o palco com Pedro Morais, e a outra, no sábado, canta ao lado da Orquestra Ouro Preto, na praça da Liberdade.

Mesmo com a correria, Fernanda encontrou tempo para responder a algumas perguntas para o MAGAZINE. Com relação a sua apresentação com Pedro Morais, no projeto Claro Rock, que promove encontros inéditos entre artistas consagrados com jovens com trabalho autorais, ela adianta: “Vamos fazer cinco canções juntos, entre coisas do repertório dele e do meu mais recente. Ainda teremos uma surpresinha”, promete.

Considerando o espaço, será um show intimista e, ao mesmo tempo, potente por agregar a veracidade juvenil do cantor à sutileza vocal de Fernanda, que vê em seu parceiro qualidades fundamentais para um bom músico. “Pedro é um jovem artista que compõe muito bem, afinadíssimo e vem construindo uma carreira consistente Brasil afora”, opina a cantora.

O encontro, por sua vez, representa uma reunião de representantes de gerações distintas que surgiram em cenários musicais também diferentes. A cantora, por exemplo, acredita que a vigorosa presença da web contribui para difusão de trabalhos de autor e também como um filtro. “A internet é um grande aliado, ao mesmo tempo aumenta a competição. Eu acho que os verdadeiros talentos só se beneficiam dessa relação”, afirma.

Porém, uma coisa ainda continua a mesma para Fernanda: a importância do endosso de artistas com anos de estrada como forma de compartilhar público com aqueles em início de carreira. “Quando começamos. era sempre uma vitória abrir shows de algum grande artista ou ser citado em entrevistas. Cria-se uma curiosidade saudável em torno de quem vem por aí”, comenta a Fernanda.

Miscelânea. Ainda nesta semana, Fernanda compartilha novamente o palco. Desta vez, porém, com mais músicos. Trata-se da Orquestra Ouro Preto, que vem com a proposta de apresentar a possibilidades de conexão entre composições de artistas nacionais e a música erudita. “Temos a intenção de mostrar um pouco da música brasileira mais contemporânea de forma orquestral”, diz o maestro Rodrigo Toffolo.

Dividida em duas partes, a apresentação é composta, num primeiro momento, por melodias baseadas em canções de Chiquinha Gonzaga, Hermeto Pascoal, Benito Di Paula e ícones da música popular brasileira. A vocalista do Pato Fu entra a partir do segundo movimento, interpretando canções de seu segundo álbum solo, “Na Medida do Impossível”, produzido por John Ulhoa.

Embora músicas brasileiras tenham sido priorizadas na concepção do espetáculo, foi dado um espaço especial para duas canções dos Beatles: “The Long and Winding Road” e “Across the Universe”, que tiveram arranjos feitos pelo violoncelista Rodrigo Garcia.

Toda essa mistura faz parte da concepção da Orquestra Ouro Preto, que constantemente participa de projetos experimentais. Assim aconteceu no ano passado quando realizaram um espetáculo com o Alceu Valença, em São Paulo. “Os ingressos ficaram esgotados em quatro horas, e o teatro (do Sesc) estava lotado”, diz Toffolo.

Para o maestro, essas parcerias são parte da essência da orquestra. “É bom para os músicos da orquestra experimentar a liberdade que a música popular apresenta e também vivenciar os códigos, que são diferentes. Mas acredito que essas associações acrescentam muito para ambos os lados”, afirma.

É também uma oportunidade para público assistir a parcerias inéditas e até mesmo conhecer um estilo musical com o qual não é familiar. “Aqueles que não conhecem ou acham que não têm acesso à música erudita poderão ter um contato com esse universo e ver como é facilmente penetrável. E aqueles que já são fãs, poderão ver uma apresentação em uma montagem totalmente diferente”, diz Toffolo.

Shows com Takai

O quê. Pedro Morais convida Fernanda Takai

Quando. Hoje, às 18h

Onde. CCCP (rua Levindo Lopes, 358, Savassi)

Quanto. R$ 20

O quê. Orquestra Ouro Preto e Fernanda Takai

Quando. Sábado, às 16h

Onde. Praça da Liberdade

Quanto. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave