Mercado de feijão encerra estável em maio

Especialista aposnta que em junho existe tendência de queda, considerando a iminente entrada do produto, que gera concentração de oferta

iG Minas Gerais | Da redação |

Preços do feijão se mantiveram estáveis para todos os tipos
Divulgação
Preços do feijão se mantiveram estáveis para todos os tipos
O mercado de feijão nacional não apresentou muitas variações de preço na última semana do mês de maio, como na semana anterior. A expectativa era de aumento, por causa da Aquisição do Governo Federal (AGF).    Segundo o analista de Safras & Mercado Jonathan Staudt Pinheiro, muitos especuladores tentaram forçar valorização no feijão carioca, mas sem grande sucesso. “Para o começo do mês que vem, existe tendência de queda, considerando a iminente entrada do produto, que gera concentração de oferta”, explica Pinheiro. “Nesse caso, nem o AGF vai conseguir sustentar as cotações, que já estão baixas devido a um mercado bem abastecido e com baixa demanda”, completa.   No decorrer da última semana do mês, os preços se mantiveram estáveis para todos os tipos, apresentando aumento significativo apenas de sexta para segunda-feira, quando passaram de R$ 105 para R$ 117,50 por saca de feijão carioca extra nota 9 – variação positiva de 11,9%. Já o feijão carioca especial nota 8,5 obteve a maior alta, passando de R$ 92,50 no último dia da semana passada, para R$ 107,50 em média na segunda-feira, valorização de 16,22%.    O feijão preto, por sua vez, apresentou quedas consideráveis no decorrer da semana, devido a dois fatores principais. Um deles, segundo o analista de Safras, é o feijão importado principalmente da Argentina e da China, que entram no território nacional a preços competitivos e abaixo dos praticados no Brasil, o que inicia pressão baixista. Aliado a isso, existe a oferta de feijão preto segunda safra, que está recém sendo colhido, mas pressiona os valores devido à concentração de oferta.    Os preços do feijão preto extra começaram a semana sendo ofertados, em média, a R$ 142,50 por saca de 60 quilos e fecharam a semana sendo ofertados, em média, a R$ 132,50 por saca – declínio de 7,02%. O feijão preto especial também apresentou decréscimos consideráveis, começando a última semana de maio sendo ofertado, em média, a R$ 125 e fechou sendo ofertado, em média, a R$ 117,50 – redução de 6%.