Cliente diz não encontrar locais para ser atendida por plano de saúde

Segundo advogado da empresa, redução dos prestadores foi necessária para evitar falência

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Desde o fim do ano passado clientes do convênio hospitalar Só Saúde, que chegou a ter a venda de três planos suspensas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), vem encontrando dificuldade para encontrar clínicas que atendam pelo convênio. Segundo advogado da empresa, a medida foi necessária para evitar a falência da empresa e que mais pessoas saíssem prejudicadas.

Segundo a jornalista Mailde Moreira, de 33 anos, há cerca de seis meses ela vem percebendo que as clínicas em que costumava ser atendida pararam de atender pelo convênio. “Falaram que o repasse devido não estava sendo feito e, por isso, cortaram o atendimento. Vi a reportagem falando sobre a suspensão da venda de três planos do meu convênio e fiquei sem saber o que fazer, mas continuo pagando tudo. Quando a gente liga lá, falam que estão resolvendo a situação, mas nunca passam informações concretas sobre o que está acontecendo”, desabafou a cliente.

Após algumas tentativas, a jornalista foi informada de que uma parceria foi feita com outro convênio, o Samp Minas. “O que deu a entender é que quebrou e estão cortando todas as clínicas. Disseram que receberemos uma carteirinha do outro plano, mas até hoje nada. O pior problema é a falta de informação. Já vi vários outros clientes brigando lá na sede da Só Saúde”, afirmou.

Segundo o advogado da empresa, Filipe Rossi, a empresa vem passando por uma reestruturação há 10 meses. “Passamos por dificuldades financeiras e, justamente para manter o funcionamento, foi necessário o corte dos prestadores, pois o plano oferecia várias clínicas à preço popular. Além disso, contratamos a Samp, que atende aos nossos clientes”, garantiu.

Para demonstrar que a empresa age dentro da normalidade, o advogado ressalta que a Só Saúde ganhou 82% das causas na Justiça. “O objetivo destas medidas era exatamente não quebrar a empresa. Parte da dívida já foi paga e o restante está sendo resolvido. Além disso, dos três planos que tiveram a venda suspensa, dois já foram readmitidos”, afirmou o advogado. Para os clientes que encontram dificuldade, a empresa aconselha que a sede da Samp seja procurada. O endereço é avenida Amazonas, nº 941. 

Leia tudo sobre: planos de saúdesó saúdeclientesdificuldadelocaisconvênio