Renault diz que agora vai entrar no "modo competição"

Equipe acredita que recuperação na F-1 começará a partir do GP do Canadá

iG Minas Gerais | FOLHA PRESS |

A equipe da Renault garante que tem aprimorado os seus carros e espera brigar pela ponta do campeonato em breve
F-1 oficial/reprodução
A equipe da Renault garante que tem aprimorado os seus carros e espera brigar pela ponta do campeonato em breve

Após um início de temporada frustrante, com uma série de problemas e falhas em seus motores, a Renault acredita que neste final de semana, no GP do Canadá, sétima etapa do Mundial de F-1, finalmente poderá sair do "modo de recuperação" para entrar no "modo competição".

"No começo do ano dissemos que estaríamos prontos para lutar de igual para igual com nossos rivais a partir de Montréal. Nas últimas quatro corridas nós introduzimos uma série de novidades e vamos completar este processo neste fim de semana", explicou Remi Taffin, chefe de operações de pista da fornecedora de motores francesa.

Em seis corridas já disputadas neste ano, a Renault viu as previsões da pré-temporada se concretizarem. Até aqui, apenas os carros equipados com propulsores Mercedes venceram, fizeram poles ou lideraram corridas.

Mais que isso. Foram 14 vezes ao pódio contra três da Renault e uma da Ferrari. "Agora vamos ver efetivamente onde nós estamos comparados aos nosso adversários. Para isso, teremos ainda mais novidades no Canadá, especialmente para tentar melhorar nossa confiabilidade", completou Taffin.

Só na última corrida, o GP de Mônaco, há dez dias, foram três falhas nos propulsores franceses. Nos dois carros da Toro Rosso (Jean-Eric Vergne e Daniil Kvyat) e no Red Bull de Sebastian Vettel. Mas a Renault garante que estudou as quebras recentes e que elas não voltarão a se repetir no circuito Gilles Villeneuve, apesar de as características do traçado exigirem bastante dos motores -os primeiros treinos livres para a prova canadenses serão realizados nesta sexta-feira (6), a partir das 11h (de Brasília).

"Montréal representa o maior desafio para as unidades de potência até agora nesta temporada. As retas longas exigem máxima potência por um longo tempo durante cada volta, mas chegamos otimistas", declarou Taffin.

"Claro que nós temos de ser humildes, mas acho que este será um bom teste para vermos onde chegamos desde os testes da pré-temporada e quanto trabalho ainda nos resta por fazer", disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave