Em assembleia, servidores confirmam que só dois grupos seguem em greve

Educadores e funcionários do BH Resolve mantêm os braços cruzados; assembleia durou cerca de 30 minutos e o trânsito na região ficou lento

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Categoria fechou avenida com cadeiras.
MARIELA GUIMARÃES/O TEMPO
Categoria fechou avenida com cadeiras.

Servidores municipais realizaram uma assembleia unificada em frente à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), no centro da capital, na manhã desta quarta-feira (4) para anunciar o fim da greve. Com exceção dos educadores e dos funcionários do BH Resolve, os servidores anunciaram o aceite a proposta da PBH.

A partir desta quinta-feira (5), os grevistas voltam a trabalhar. Já os os educadores continuam a reivindicar pelos 15% de reajuste salarial e aumento no valor do vale alimentação de R$ 17 para R$ 28.

As demais categorias aceitaram a última proposta da prefeitura de 7% de aumento divididos em duas etapas: 3,5% incorporados a partir da folha de pagamento de julho e mais 3,5%, a partir da folha de novembro. Além deste reajuste, está previsto um acréscimo de 8,82% ao vale-alimentação, a partir de novembro, elevando o valor unitário do vale para R$ 18,50.

Garis e servidores da saúde foram os primeiros a voltarem ao trabalho.

Assembleia durou cerca de 30 minutos, segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel), e o grupo fechou a avenida Afonso Pena, no sentido Magabeiras, com cadeiras.

O trânsito na região, de acordo com a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), ficou lento na região. 

Leia tudo sobre: greveservidoresassembleia