Confusão marca venda de lote final de ingressos em SP

Informação de que não havia bilhetes para a abertura da Copa gerou revolta torcedores, que já até haviam se organizado no início da fila

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

O que era para ser festa, virou confusão. Na manhã desta quarta-feira, no início das vendas do último lote de ingressos para os jogos da Copa do Mundo, o clima era de tensão no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, com correria e muito empurra-empurra.

Tudo começou por volta das 7 horas da manhã, quando foi anunciado ao público que não haviam mais ingressos para nenhum dos jogos do Brasil na primeira fase, inclusive para a abertura, no próximo dia 12, contra a Croácia, no Itaquerão, assim como para nenhum dos outros cinco jogos que serão disputados em São Paulo e também para a final, marcada para o Maracanã, no dia 13 de julho.

A informação gerou certa revolta nos torcedores, alguns deles no local há mais de 24 horas a procura de entradas para o Mundial. Os primeiros a chegar, inclusive, organizaram uma lista com cerca de 200 nomes para que tudo ocorresse dentro do previsto. Para o bancário Walmir Mantello, que queria comprar ingressos para o jogo entre Uruguai e Inglaterra, em São Paulo, o sentimento é de traição. "Eu fui enganado. Por que a Fifa fala que vai ter ingresso para todos os jogos quando não vai ter?", disse ele, que se organizou com seu irmão e estava na fila desde o início da madrugada.

Os mexicanos Daniel Garcia e Arturo Ceballos, que passam férias no Brasil, também ficaram tristes com a informação, pois desejavam assistir Brasil x México, no próximo dia 17, em Fortaleza, mas aceitaram a situação. "Vamos comprar para qualquer um do México", afirmaram os dois torcedores.

Depois de um princípio de confusão, a Polícia Militar chegou ao local e começou a normalizar a situação. Enquanto algumas pessoas iam embora após desistir de comprar ingressos, outras voltavam a se organizar e esperavam na porta do ginásio pela chamada.

Leia tudo sobre: fifaingressoscopa do mundofilasão pauloibirapueratorcedorespolícia militar